Arquivo da tag: Política

Why haven’t intelligent people taken over the world?

(Publiquei este post em português no meu blog)

Let’s suppose a few hypothesis:

1) There are people who are very, very, VERY intelligent in the world.

2) The human civilization doesn’t look so let’s say…  very well organized, it seems like there are important human beings doing stupid things.

3) A fraction of the very intelligent people are also ambitious AND have strong opinions about how the world should be AND care enough to do something about it.

Hence my question is: Why is the world not regularly dominated by very intelligent people???

Ok, I admit that it is a somewhat bizarre question, but I really mean it, and I will try to justify myself.

First, what do I mean by dominating the world?
Domination means that you are able to make your will prevail over others. It doesn’t have to happen by force, far from it, it is enough that one can handle the situation to his side. Dominating the world assumes that someone (or some group) can achieve such a degree of superiority of power that is able to subvert the whole political established hierarchy. This seems to be VERY difficult, as I suppose that the closer you get to dominating the world, the more competent are your competitors aiming for the same purpose (or any other purpose which is incompatible with yours). That is, to take over and keep the power you have to find a way to win, eliminate, or avoid the elite of the political power in the world.

Why would anyone want to dominate the world?
To impose your will. And why would anyone want this? Well, this is a psychological matter. I suppose that it could be to satisfy an insatiable ego, a huge will to power, magnify one’s own image or by a very strong feeling of revenge, which is nonetheless also an imposition of one’s self on others. These motivations would be psychopathic. A more rational motivation could be for an ethical duty, well, it is true that the notion of duty is not rational, but I mean it would be a more objective conduct, to dominate in order to actualize goodness (whatever one understands by goodness…).


Why would anyone need to dominate the world?
Because the traditional social means may not be enough for what you want; for the most common political organizations requires that in order to gain power someone should gather admirers and trust in those who are in control of stabilishing your rank (whether the population or a political aristocracy). This route has many disadvantages, it commits the applicant to the interests of his political supporters (actually sharing his power with them), requires him to maintain a demagogic persona (social image) that somehow motivate or justify his position, and blatantly exposes him to all who might be interested in taking his rank or who oppose his policies to act against him, to overthrow him or simply kill. That is why someone would want to dominate the world through alternative means – which need not be by force (violence), I believe there probably are other ways.

Why someone would have to be intelligent to dominate the world?
Well, it is important to emphasize that I am not talking about a merely academic intelligence, I’m talking about a person with high cognitive ability in many areas, one who is able to face difficult problems of pratically any nature, from metaphysical questions, to social manipulation, to juggling gelatin.
Therefore, I think this would be the most important capacity in order to try to dominate the world because someone in this condition could try to understand and solve any problems that could appear, no matter if he/she was not particularly good at it.

How it would be like if intelligent people dominated the world?
It’s hard to answer, but we would live in noocracy, a government of the wise, or initially a geniocracy, since I am considering that on or a few geniuses would take over the power.  I suppose intelligent people would be better able to solve the major problems of society and to create efficient policies, they would have a more realistic, deep and complete understanding of the social functioning, have ethical concerns and a well-developed ethical system, and would be able to separate their personal interests of those of humanity.
Unfortunately some of these assumptions would probably not materialize.
There is still a complicated issue of how to represent the ethical and political values of the population, which is one of the greatest values of democracy. This would be an additional problem to be solved.


Isn’t the desire to dominate the world a childish, narcisistic and megalomaniac attitude based on a simplistic conception of society?
Hmmm… maybe. But would that really prevent people from dominating the world?

Assuming then that the main questions have been clarified:
Why is that the world is not regularly dominated by very intelligent people???

The answer doesn’t seems obvious. I will consider several possibilities:

1) The world has already been dominated by intelligent people and I was the only one who did not notice.
Well, this answer is either a denial of my second premise (that the world does not work very well), or the defense that even though intelligent people have dominated the world, these beings are not able to make it work in a way that seems adequate or worse, they are not interested in that.
This argument is quite similar to the Epicurean argument against the existence of God: if God wants to be good and is not able he is impotent, if he can but does not want he is malevolent, if he cannot and doesn’t want he shouldn’t be called God.
I shall divide this possibility in two:

1.1) The world has been dominated by intelligent people, but they can’t do the trick.
This is possible, but unlikely. However, given my lack of information about the occurrence of exceptional intelligence in ranks of high power, I will assume they probably are in positions of lower public exposition ( “illuminati”? O_O). If it is that so, why is that they cannot do deal with the problem? Is the dynamics of society, politics and the economy so uncontrollable? After all, remember that we are talking about people who were able to dominate the world! Why is it that they could not manage it efficiently? They don’t have enough critical mass? There would exist too much disagreement between them? It seems more likely to just reduce this position to a more usual view that whoever is controlling the powerful society are not as intelligent or competent as we are talking about. In other words, this position denies the first postulate.

1.2) The world has been dominated by intelligent people, but they are not concerned with organizing it, they are worried about other things.
This seems somewhat more likely. But why? In my view, a very intelligent person who has been able to dominate the world should have serious concerns about which direction to take. After all, has he dominated for what? Is it that ethics really does not necessarily lead to a social administration other than that we see today? Does intelligence not necessarily lead to ethical concerns? What are the motivations of these people then? Is it a fact that power corrupts people and that as soon as someone gets in a high position, this person gets overwhelmed by their instinctive and selfish desires?


Certainly in human history very intelligent great leaders have made to the high power and we can analyze the diversity of their behavior in order to see their profile, their motivations and what was their end, i.e. why they were unable to keep the power under the same ideals. So this question remains unanswered: What were the motivations of the great intelligent powerful men of the past?


Possibly the paths that lead someone to power do not usually lead people to deeper ethical concerns. Perhaps these men have been primarily busy with more immediate concerns, as their next conquests and maintaining their own power, without thinking much on a larger scale. After all, ruling empires sounds like an awful lot of work.

2) The world has not been dominated by intelligent people.
Well, this is my main proposal. And why is that the world has not been dominated?

2.1) Intelligent people are not able to dominate the world.
I think this is the best answer. And the main evidence is the lack of competence of the resistance movements throughout the world, even under the most ideologically hostile and absurd conditions.
We could remember the case of the Soviet Union under Stalin, or Nazi Germany. The number of attempted attacks, organized resistance movements and counter-revolutions in history seems to be modestly small in addition to being little effective. Taking into account that a revolution is a great opportunity to change the order of things, for a group to take the power and establish their political ideals, it seems that in fact, what is lacking is the competence (hypothesis 1 must be false in this sense).

And why this lack of competence?
I think it’s because the intelligent people usually have some characteristics that prevent them from being politically effective: they are either insecure, or undisciplined, or impractical, or unrealistic, or not politically skilled, or intransigent, or competitive, or disorganized in excess. Just look at most of the student movements and intellectual groups. This goes a little in the line of thought of a quote from Russell:

“The fundamental cause of the trouble is that in the modern world the stupid are cocksure while the intelligent are full of doubt.”
Bertrand Russell, Education and the Social Order (1932) Bertrand Russell, Education and the Social Order (1932)

Possibly the life paths of growing up and the personality of intelligent people does not help them to develop so many skills and intellectual and political motivations at the same time.

On the other hand, there were in the history of mankind, some situations in which one or more very intelligent people took over the power. Why were they unable to keep the power in the hands of other intelligent people? Why is the power of intelligent people not stable? Is it that they haven’t had this concern? Is it that their motivations did not favor them to pass the power to other intelligent people? Or they simply could not find successors up to their height? After all, finding suitable successors is not an easy problem.

Perhaps the problem is too difficult for one or even a few humans, to take over the world and still administrate humanity is a too hard job. This also seems quite reasonable. After all, for this purpose humanity is divided into hundreds of thousands of government functions and ranks. I certainly would not expect that they could control everything, just give the main guidelines. But anyway it is a reasonable possibility. Perhaps the problem is a mixture of lack of intelligence, number of people and organization. Interestingly this seems to be feasible. Hum….


Then there is also the possibility that our society is somehow protected against the domination of the intelligent. As if our society was constituted so that whenever someone very clever has this idea and decides to do something about it, it is quickly detected and eliminated (or perhaps distracted by an intellectual problem which will occupy his entire productive life and will not cause anything useful). This strikes me as too conspiratorial for my tastes.

2.2) Intelligent people do not want to take over the world.
Finally, perhaps the intelligent people are not so interested or motivated to take over the world.
After all, these people are supposedly perfectly capable of making themselves a very good life in today’s world, so it is just not worth trying to dominate the world. This is consistent with the view that rational people do whatever is advantageous for them, which usually does not involve caring so much with others.
In addition, dominating the world takes a lot of work, is very dangerous, and probably requires the rest of your life, if you eventually succeed.
It neither seems to be psychologically advantageous:
Unless you have a tremendous disturbance of an obsession with your ego or ethics, I think intelligent people get sufficient reward in activities far more feasible, in particular, most intellectuals are very happy discussing ideas, reading and writing and have no megalomaniac intentions.

Conclusions:
1.2) Intelligent people who achieves power do not usually worry too much about great ethical issues.
2.1) Intelligent people often have personality traits that prevent coming to power.
2.2) And the intelligent people who could come to power are probably not very interested.
And 2.1 again) If by chance there are people interested, they are in insufficient quantities to manage it, because the problem is so very hard …
Anyway, c’est la vie.

But a question remains, why isn’t the permanence of intelligent people in the power stable? Once a government of intelligent people is established, why can’t it keep its quality? Doesn’t these people usually have a strategic vision for this issue? Or is it that difficult to get suitable successors?

Anarco Individualismo e Transhumanismo Social

A vida é apenas uma e a racionalidade é um bom approach a ela, esse é o princípio regente, ou fundamento, da visão política de mundo que pretendo aqui descrever.

É adotada também a trivialidade de que a palavra “felicidade” foi adotada pela comunidade para denotar algo que é bom, e vem sendo usada dessa forma desde então.

Uma das grandes características marcantes das posições políticas dos indivíduos é seu caráter expansionista, a grande maioria das pessoas em atividade política se interessa por expandir o número de pessoas que tem a mesma opinião que elas, uma posição política que não pelo menos flerte com esse viés bolchevique estará fadada ao fracasso, por razões de seleção memética devidamente discutidas por Jared Diamond em Armas Germes e Aço. Começo minha exposição então declarando abertamente a derrota da posição política que pratico no longo prazo.

A racionalidade nos permite ver que o outro é diferente de nós, ela nos desvia do ideal cristão da única maneira correta de se viver, e portanto ela não nos permite cegar à possibilidade de que aquilo que nos é bom talvez não o seja ao outro; a razão e a fibra política caminham em direções opostas, o que explica a lentidão do desenvolvimento político do mundo, em contraposição, por exemplo, ao desenvolvimento artístico, ou científico. O anarco-individualista não dá importância ao processo de credibilidade por pregação, acreditando no que acredita independentemente de quantas pessoas partilham de suas crenças. Segue que a não aceitação por outra pessoa da premissa inicial, do fundamento, não oferece perigo algum ao proponente dessa posição, que ao mesmo tempo recusa-se a aceitar que há uma melhor visão política para todos e que suas idéias devem ser inculcadas no maior número possível de mentes.

Uma vez que nos afastamos dos Gulags mentais promovidos pela histeria política de massas, podemos nos afixar numa racionalidade individual, e trazer o anarco individualismo e o transhumanismo social a tona a partir de nossas premissas.

O anarquismo tradicional está ligado a uma recusa do Estado e uma percepção de que a comunidade viveria melhor num âmbito sem poder estatal. Essa visão se baseia numa miopia psicológica (não perceber que a natureza humana é contrária aos anseios humanos) aliada a uma paranóia de conspiração (o Estado nos vigia, nos pune, quer o pior de mim, e violenta minha liberdade). Nós, anarco individualistas, desejamos paz e ausência de medo, e conhecemos em parte a natureza humana, que possibilitou não só a construção de grandes maravilhas do mundo e a era da internet, como também a tortura de crianças e o estupro de inocentes, e por isso nós podemos nos afastar dessa concepção anarco-tradicional de que  todo homem seja um herói cuja história não pode ser escrita devido ao punho esmagador do Grande Irmão. O anarco-individualismo apenas prega uma separação estrita entre indivíduo e estado, o argumento é simples: 1 Nenhum indivíduo tem uma participação política relevante caso não seja famoso, 2 só há uma vida que não deve ser utilizada em coisas irrelevantes, logo, 3 não se deve participar politicamente. Cada minuto dedicado a política pela política, e não pelo prazer de seus conteúdos, ou por razões que lho possam interessar, é uma antecipação da morte em um minuto.

É um prazer ao ser humano fazer o bem a si mesmo e aqueles que lho interessam, e nossa capacidade de simbolização nos permite também fazer o bem a coisas, instituições, idéias, projetos etc… e sentir imenso prazer com isso. Em realidade sabe-se que as mais felizes e longevas dentre as almas do mundo são aquelas que dedicam-se a algo que lhes parece maior do que elas. Segue que devemos procurar campos de interesse aos quais possamos nos dedicar para que aproveitemos bem a vida. Depois da virada de jogo da racionalidade e do iluminismo, tornou-se impossível a pessoas inteligentes e bem informadas na infância manter uma sólida aspiração religiosa ou transcendente, e Richard Rorty pontua que esse processo foi essencialmente um abandono da idéia de imortalidade pessoal em direção a um esforço para que as pessoas do futuro vivam uma vida melhor, e considera isso um progresso. Como pessoas do futuro em relação ao passado, temos boas razões para agradecer a essas mudanças, e mesmo que não tivéssemos, estamos circunscritos num espaço de tempo no qual é impossível atingir o grau de transcendentalismo e misticalismo que outrora povoou o imaginário humano, e portanto temos de nos ater aquilo que está no imaginário coletivo (porque isso nos dá segurança) e está acessível a nós como um projeto de vida que é mais importante do que nós. Devemos portanto encontrar algo maior do que nós e fazer. Note que não é uma premissa que devemos fazer algo maior do que nós para os outros, é uma consequência da busca por um maior aproveitamento da vida no nível individual que nos traz inexoravelmente a uma ética pública (mas não política) que pretende promover a melhoria da vida alheia. Considerando que instituições, idéias, comunidades, e memeplexos em geral são mais estáveis emocionalmente do que pessoas particulares, dedicar-se prioritariamente a entes estáveis é uma boa maneira de garantir o próprio aproveitamento da vida, em oposição a dedicar-se primordialmente a conhecidos. O outro, ou a instituição beneficiária raramente estão no passado (historiadores seriam um exemplo) e segue portanto que a maioria dos afazeres de um anarco-individualista serão dedicados ao futuro, ergo, progressismo.

Dependendo do grau de racionalidade e do tipo de empatia que uma pessoa tem, ela irá se dedicar a um tipo diferente de atividade. A maioria das pessoas precisa de constante feedback sobre seus atos para sentir-se bem, e particulamente um feedback que seja visto na hora, em pessoa. Um psicólogo clínico por exemplo dedica-se ao momento atual de uma pessoa e também a seus momentos futuros, e recebe informação atualizada de como vão seus esforços duas vezes por semana, um webdesigner por outro lado dificilmente pode ver o fruto de seus esforços diretamente (no sentido de ver os usuários se divertindo com tão bela página) e isso requer um maior grau de racionalidade ou menor grau de empatia. Racionalidade e empatia, evidente, não são antônimos, mas é o caso no mundo atual que a copiabilidade de algo está intimamente ligada a não ver todas as cópias, e a empatia depende daquilo que vemos em curta distância, ou seja os atos que privilegiam mais pessoas e são mais racionais são aqueles que possibilitam uma ativação empática menor.Esse é um problema do mundo, e não das minhas definições de racionalidade e empatia. Como fazer atos universais é uma consequência, e não uma premissa, da racionalidade e da vida curta, uma pessoa mais empática deve sacrificar o maior bem geral em prol de seu bem individual, pois sua felicidade depende de fazer bem a menos pessoas. Uma pessoa bastante racional e pouco empática por outro lado, mesmo que tenha a escolha entre um bem maior não visível a curto prazo, e um bem menor porém visível há de compreender que sua raridade faz com que ainda mais valiosos sejam seus esforços em prol de um mundo melhor. Os grandes filósofos, literatos, cientistas e arquitetos são pessoas justamente desse tipo. Sua capacidade de abstração permite compreenderem que é possível que aquilo que há de melhor para se fazer na vida pública é produzir algo que será apreciado ao longo de gerações e gerações no futuro, e apenas pela capacidade de prever o futuro mentalmente, sentir o prazer empático correspondente. O principal perigo da política é justamente a roupagem racional de “estar fazendo bem aos seus conterrâneos e futuros cidadãos”, vende-se o lobo na pele de cordeiro, pois evidente que uma pessoa não faz nenhuma diferença individual na política, entretanto os esforços de apenas um são muito mais prolíficos em outros campos da cultura.

Há pessoas que uma parte do tempo (mas não todo ele), por qualquer razão, apreciam imensamente a quantidade real de influência que provavelmente farão no mundo, pessoas por exemplo que se sentem melhor fazendo o bem a 3 chineses do que a 2 indianos, e melhor fazendo um pequeno bem a uma cidade de um milhão de habitantes do que resolvendo os problemas de uma única pessoa. A essas pessoas cabe o estudo dos melhores métodos de se promover o maior bem para o maior número de pessoas.

No passado esse modo de pensamento gerou o humanismo, o enaltecimento do homem enquanto homem, e a intenção de permitir-lhe exercer ao máximo potencial todas as suas faculdades. Com o progresso tecnológico surgiu entretanto uma divisão entre humanistas naturalistas, que cometem o tradicionalérrimo erro de assumir que o que é natural é bom (e consequentemente precisam definir o que é natural para separar o joio do trigo e passam o resto da vida separando o hipotético joio do hipotético trigo e percebendo como suas definições anteriores falharam), e os transhumanistas, que extendem seus princípios humanistas para uma promoção da vida humana em todos os âmbitos inclusive aqueles que dizem respeito a desafiar as tiranias da seleção natural e da hereditariedade. Esses acreditam que é tão bom treinar um grande pintor quanto é bom dar-lhe as tintas para que possa pintar. Os primeiros acham que treinar um pintor é bom, mas não se deve dar a ele pincel ou tintas. Não é exatamente assim, mas isso captura o espírito anti-tecnológico dos humanistas naturalistas.

A história humana é um sem fim de aprender a ordenar a natureza de acordo com nossos fins, e nisso só difere por exemplo da história paquiderme no que tange ao fato de que nossa ambidestria e capacidade linguística nos permitiram influir muito mais intensamente que sua nosodestria e capacidade chafarística.

O anarco tranhumanismo é assim sumarizado por seu criador Pablo Stafforini:

Anarchism: The political theory that aims to create a society free of all forms of authority, particularly those involving domination and exploitation.

Transhumanism: The cultural movement that affirms the desirability of fundamentally altering the human condition through applied science and technology.

Anarcho-Transhumanism stands for:

  • Political Freedom: Against the tyranny of government.

  • Economic Freedom: Against the tyranny of capitalism.

  • Biological Freedom: Against the tyranny of genes.

Anarcho-Transhumanism is not:

Libertarian: It does not believe in free-market fantasies.

Extropian: It does not believe in optimistic futurism.

A diferença entre a posição que estou defendendo e a de Pablo é apenas na forma de frasear, ele se diz contra a tirania do Governo, enquanto eu diria ser contra o que há de tirânico no governo, o que deixa claro a eliminação da interpretação de que o governo é uma tirania, em oposição a interpretação mais cautelosa de que existem tiranias no governo, tal qual existem no capitalismo e nos genes.

Existem poucas maneiras de se conseguir mais inimigos no mundo do que sendo um anarco individualista transhumanista social, e acho que qualquer pessoa que esteja levando a sério sair do armário como um pense nisso antes de fazê-lo.

Todas as vertentes políticas dominantes, da extrema direita a extrema esquerda o criticarão por não ser politicamente ativo, afinal, tal qual os fiéis de qualquer religião, eles consideram que o que fazem é mais certo de acordo com quantas pessoas fazem o mesmo, e você estará lhes oferecendo tacitamente a perspectiva de que existe um outro caminho possível, o que, por possuirem uma natureza política, é o que mais repudiam.

Todas as pessoas, inclusive anarquistas ativistas criticarão sua neutralidade política, ou apatia, e sua incapacidade de sensibilizar-se com os problemas do mundo (mais miopia). A visão de longo alcance no espaço já é malvista em comunidades, a visão de longo alcance no tempo é um atentado sem precedentes.

A enorme maioria das pessoas vive do início ao fim da vida achando que o que é natural é bom e que as coisas deveriam ser como são. Não espere críticas apenas da comunidade religiosa, ou de pessoas espiritualistas, as pedras virão desde a elite financeira que não consegue aceitar alguém que não tem fetiche pelo bem mais disputado (o dinheiro), até Nietzscheanos vorazes que lhe chamarão de ovelha submissa por seus ideais baseados em outros e sua dedicação a superar a própria vontade de poder. Não apenas estes, mas também teóricos sociais da esquerda tradicional criticarão sua aceitação do determinismo biológico (um pressuposto para desejar modificá-lo) como nazista; estruturalistas dirão que sua visão progressista e de uma verdade única lhes inspira náusea, apesar de que a recusa destes de uma verdade (mesmo aproximada) sobre os fatos não lhes impeça de pregar cegamente uma maneira única do bem viver a ser conduzido pelo torpe estado de seus sonhos, que pressupõe uma visão do homem como uma tábula rasa e ignora completamente a natureza humana.

Trilha sonora para os próximos parágrafos:

Inelutavelmente você será criticado como pertencendo a grupos que lhe repudiam. É natural ao homem estereotipar o estranho num grupo pré-estabelecido, de preferência inimigo, para poder manter-se tranquilo a respeito de suas próprias escolhas e emocionalmente bem consigo mesmo. Os esquerdistas lhe chamarão de nazista, os capitalistas mais ferrenhos, de comunista, os anarquistas ativistas de fraco, todos de apático, os religiosos de ímpio, aqueles que misturam o natural e o bom mais uma vez de nazista, os relativistas lhe chamarão de tudo o que puderem, contanto que eles não tenham que admitir que existem coisas em algum sentido aproximadamente verdadeiras e portanto tenham de tomar alguma providência para obter informação sobre o mundo. Como sua obra será de longo prazo, e não uma atividade física intensa como discutir política todo o tempo, a critica da apatia virá acompanhada da impressionante alegação de que você estuda de mais ou lê demais e não faz nada. Nesse caso não se trata apenas de miopia a respeito de seus projetos, mas sim de um violento medo de que talvez, apenas talvez, alguém que tanto estude possa realmente saber alguma coisa. Por sorte esse medo pode sempre ser suprimido pela próxima reunião do grupo ao qual a pessoa pertence, um baseado ou a novela das oito, mas é sempre possível vê-lo ressurgindo novamente quando o conhecimento entra em jogo numa conversa, o que para alguns é uma fonte de regozijo apenas comparável ao bem futuro que se está defendendo.

Esse preço todo é pago por uma vida na qual não há limites para o aprendizado, fronteiras para a liberdade e o amor ao próximo (sequer espaço-temporais) e na qual cada momento se preenche de significado de maneira única de uma maneira que só pode ser transmitida por aqueles que sabem estar servindo a um propósito maior do que si mesmos, como os religiosos verdadeiros. É bastante claro, e digo isso literalmente ao som da cavalgada das walkyrias, que o pensamento anarco individualista transhumanista social não é para todos, mas apenas têm serventia a uma pequena minoria de pessoas que tem uma série de particularidades de personalidade e uma visão de mundo que considera importante o fato de que a vida é uma só. O tipo de racionalidade, desejo de ascenção, vontade de poder, desejo de liberdade, generosidade e individualismo exigido para se sustentar essa posição no mundo são muito pouco frequentes na população humana, e isso, àqueles que ainda não aprenderam a diferenciar o que é fato ou valor, apenas descreve como é a realidade e nada diz sobre quão bom ou ruim é adotar essa perspectiva.

.

18/11/2008 Diego Caleiro

Incompetência política

Este é um assunto do qual me envergonho e que me incomoda, principalmente nas épocas das eleições, por razões óbvias.

O fato é que sou completamente ignorante sobre política, ainda que eu ainda tenha algumas poucas noções teóricas, sinto-me completamente perdido e despreparado em relação a votar, a opinar e interpretar acontecimentos políticos, quanto mais a discuti-los.

Resolvi escrever este post para expor o problema e pedir por sugestões a respeito de como resolvê-lo. Embora eu o faça por motivos pessoais, tenho a convicção de que compartilho a mesma situação com muitas outras pessoas, admitidamente ou não. No meu caso particular, fui criado num meio com uma orientação política específica (de esquerda), porém sem forte embasamento teórico ou prático, e sem grande discussão de correntes e opiniões opostas ou diferentes. Hoje julgo que seguir a mesma orientação seria insatisfatório, por ela não se apresentar justificada para mim, porém não tenho um conhecimento significativo dela nem de outras. Tenho votado em branco ou justificado, nas últimas 4 ou 5 votações. Para mim isto significa que me considero tão pouco apto a decidir que considero a opinião coletiva como melhor que a minha, qualquer que seja ela. Esta sensação de imensa ignorância me angustia, desejo sair deste estado de tábula rasa política. Ainda que eu possa pensar que minha participação possivelmente seja pouco relevante.

Como se não bastasse a minha ignorância sobre teoria política, economia, administração pública, estado, direito, constituição e legislação, e coisas afins, a ignorância sobre a história política brasileira, o cenário atual, as histórias dos candidatos e partidos, a situação do país hoje, seus problemas e perspectivas, que são, de certa forma, conhecimentos mais “objetivos”; percebo que o problema de competência política ainda traz questões mais pessoais como, valores políticos (qual o papel do estado, como deve ser organizada a sociedade, qual deve ser a atitude do país em relação aos outros, etc), valores morais (o que deve ser valorizado, promovido, tolerado e desvalorizado e reprimido na sociedade), quais são as fontes de informação confiáveis e quais são seus viéses e tendências e como identificá-los, e finalmente, como resolver o problema prático de se votar, de formar uma opinião, e de interpretar os acontecimentos políticos.

Olhando assim, parece uma tarefa gigantesca, o suficiente para um curso de graduação. É claro, não acredito que a maioria das pessoas de 16 ou 18 anos já tenham noções boas destas coisas, e também não acho que elas sejam todas necessárias; todos nós somos um tanto pragmáticos em nossas decisões, esta é só mais uma delas. Mas o problema não deixa de ser complicado, e não quero parar minha vida para resolvê-lo, de modo que peço ajuda para que possa resolvê-lo aos poucos, e de uma maneira menos tortuosa. Afinal, o problema é complicado a ponto de ser desanimador, de parecer não valer a pena, mas vou tentar persistir.

Dividi o problema da maneira como estruturo minha ignorância a respeito das coisas que julgo que sejam relevantes:

Conhecimentos teóricos relevantes
– Política
– Estado
– Administração pública
– Organização social
– Direito
– Economia
– Relações internacionais
– Noções de educação, saúde e saneamento, urbanização, segurança pública e nacional, indústrias, comércio, pesquisa e tecnologia, entre outros.

Conhecimentos concretos relevantes

– Sistema político brasileiro
– Estrutura do governo brasileiro
– Divisão de atribuições e poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário, União, Estado e Município, Subprefeituras, etc.
– Constituição
– Legislação
– Principais instituições e empresas estatais e terceirizadas responsáveis por serviços essenciais.
– História política brasileira, principalmente os últimos 50 anos.
– Cenário político atual. Partidos, candidatos, governantes, suas relações, disputas, conflitos. Denúncias e suspeitas de corrupção.
– História e proposta dos atuais governantes e partidos (estatutos), seus rivais, e outros candidatos e partidos de interesse. As políticas propostas e implementadas por eles e seus rivais, seus sucessos, fracassos e críticas.
– Acontecimentos recentes relevantes.
– Situação do país, estado e cidade hoje. Seus problemas e possíveis causas, suas perspectivas futuras, possíveis soluções, propostas para o desenvolvimento. Políticas implantadas em cada setor, seus sucessos, problemas e críticas, etc.
– Cenários políticos e acontecimentos em países semelhantes ao Brasil, países de importância ao Brasil (vizinhos, importadores, exportadores, etc), países com modelos políticos de interesse.

Valores políticos e morais

– Qual deve ser o papel do estado, até que ponto ele deve intervir e garantir direitos individuais, bem-estar social, organização social, desenvolvimento econômico, etc.? Como deve ser organizada a sociedade? Qual deve ser nossa atitude em relação aos outros países?
– O que devemos valorizar e desvalorizar, promover, tolerar e reprimir, na sociedade, e nas políticas de cada setor, na educação, na saúde, na segurança pública, nos direitos e legislações, na atuação das indústrias, comércios, nos serviços públicos, etc.?
– Devemos decidir politicamente no interesse de quem? No nosso? No dos outros à medida que nos importamos com eles? Nos da população em questão?
– Devemos ser pragmáticos, racionais ou empíricos nos julgamentos políticos?
O problema da tendenciosidade e da informação confiável
– Onde obter informação relevante?
– Quais os meios mais confiáveis, seguros para se obter informação sobre acontecimentos de relevância política?
– A que viéses estão sujeitos? Quais críticas são feitas a eles?
– Que pessoas são úteis para se informar?

Problema práticos

– Como escolher um candidato? Que características são desejáveis? Que características são e quais não são relevantes?
 – Pesquisas de intenção de voto (popularidade)
 – Plano de governo
 – Experiência e habilidade política (negociação, retórica, diálogo, malícia, etc)
 – Relacionamentos políticos
 – Desempenho nos debates
 – Perfil dos eleitores
 – Patrocinadores da campanha
 – Eficiência, prudência, agilidade, organização.
 – Capacidade de ação diante de imprevistos e emergências
 – Inteligência
 – Interesses secundários
 – Coerência
 – Carisma e habilidades sociais, firmeza, ousadia, serenidade
 – Honestidade e moral
 – Princípios e fidelidade a princípios
 – Partido e compromisso com o partido
– Como avaliar o desempenho de um governante?
 – Plano de governo inicial
 – Desempenho, eficiência
 – Aprovação, críticas, popularidade
 – Melhora durante o mandato e após ele.
 – Aproveitamento de projetos de turnos anteriores.
 – Discursos e desempenho público
– Como interpretar acontecimentos políticos? No que se deve prestar atenção? Em quem se deve prestar atenção?
– Como votar? Votar é relevante? Que outros tipos de atuação política uma pessoa na minha posição pode exercer? Quando votar em branco?
– Como decidir sobre assuntos políticos? O que procurar? Quais os aspectos relevantes?

A pergunta fundamental: Como desenvolver competência política? Qual a maneira mais curta e eficiente?

 – Estudar teoria política e econômica, e todas as outras coisas que listei acima.
 – Ler planos de governo oficiais.
 – Se informar com “pessoas competentes”, de tendências políticas diversas.
 – Acompanhar notícias dos grandes jornais.
 – Se informar sobre a história de vida e o passado político dos candidatos principais, e à medida do possível de outros que possam vir a ser de interesse.

Enfim, listei uma quantidade enorme de aspectos e questões que acho relevantes às decisões políticas. Não sei quais são mais importantes, quais deixei de listar, quais são desimportantes, e muito menos quais são suas respostas. Peço por contribuições, opiniões, coisas afins.