Arquivo da categoria: Memes

Altruistic Awesomeness, Your Challenge

So you woke up in this universe, containing not only yourself, but a planet in which you live, a few billion galaxies, religious grandmothers, cookies, weekends and downloadable series which you can watch any time. Eventually you noticed people are way more intentional than cookies, people always want something. Everyone told you, also, that you happen to be a person.

Then you asked the obvious question:  ¿What do I want?

Let us assume you are a very intelligent person (we know you are ¿right?)

Not just that, you have a deep grasp on biological evolution, and what life is.

You understand intelligence better than average, and you know the difference between a soul and an evolutionarily designed gadget whose function is tangential to being an optimization program which optimizes for some rough guidelines brought forth by genes and memes in a silent purposeless universe.

You know human thinking works mainly through analogies, and that the best way to explain how the mind works involves some way of dividing what it does into simpler steps that can be accomplished by less intelligent systems. That is, you realize the explanation of intelligence amounts to explaining it without using “intelligence” as part of your explanation.

You know that only a fool would think emotions are opposite to reason, and that our emotions are engineered by evolution to work in a fluid and peaceful coalition with reason, not only as best friends, but as a symbiotic system.

You have perused through the underlying laws of physics, and not only you found out schröedinger’s equation, but you understood that it implies a counter-intuitive series of things, such as: There are many-worlds splitting all the time into even more worlds, and I am splitting just like everything within this model. In fact, there is a tree of greater and greater amounts of branches, so I can always trace my self back, but there are too many selves forward. You wonder if you are all of them, or just one, and which.

Everett branches of a person, splitting into the future

You basically have intelligence enough (which probably would correlate with some nice IQ measurement, on the 125+ range…. but NEVER worry about IQ, that number is just a symbol to remind you that you are smarter than most of your teachers, your village elders, etc… and give you motivation to actually DO the stuff you’ve been considering doing all this time, IQ is, basically, a symbolic statement that you can disrespect authority)

Then you thought: Wow, it turns out I feel very good being Nice to other people. I am a natural altruist.

How can I put my intelligence to work for a better world, without being sucked into the void of EVIL-DARKNESS [your choiche of master-evil here, be it capitalism, common sense, politics, religion, stupidity, non-utilitarian charity etc…]

Since you grasp evolution, you do know that there is no ultimate-morality. There is no one great principle, just in the same way as there is no one great god.

On the other hand, it seems that happiness is great, and the best parts of life, both for you, and for your friends, are those parts which are Awesome, amazing, fantastic, delicious, unbearably happy, unimaginably joyful. This of course, opposed to those parts which are miserable, unfortunate, sad, ennui, so awful you want to cry.

So you decided you want to have a life that is 1) Awesome 2) Altruistic.

Now, you ask the second question:

¿What should I do?

Then all your intelligence was put to work on that, and you started finding out what the other Awesome Altruists were doing lately. You stopped reading Vogue and Newspapers, and read about people who loved mankind and tried to do stuff. Ghandi, Mandela, Russell, Bill Gates, Angelina Jolie, Frederic II, Nick Bostrom, Bono, Bentham, Eliezer Yudkowsky, Bakunin, Ettinger, Mother Theresa, Marx, among a  few others.

“Let us understand, once and for all, that the ethical progress of society depends, not on imitating the cosmic process, still less in running away from it, but in combating it.”
— T. H. Huxley (“Darwin’s bulldog”, early advocate of evolutionary theory)

You have started to analyse their actions counterfactually. You learned that the right question, to figure out what really matters is: ¿What is the difference between our world in which X did what he did, and our world in case X had not done that?

You noticed people have a blind spot relating to this question, and they always forget to ask “¿Would someone else have done that, had X not done that?” and you have stored a special cozy place in your brain that cintilates a huge neon sign saying “If YES, then X work does not make a difference” every time you ponder the issue.

So you noticed how the most important altruistic acts are not just those that have greater impact, and stronger effect. You realized that the fewer people are working on something of impact and effect, the more difference each one makes. There is no point in doing what will be done by others anyway, so what should be done is that which, if you did not do it, would not get done at all.

Applying this reasoning, you have excluded most of your awesome altruists of people it would be great to be like.

Some remain. You notice that from those, it turns out they are all either very powerful (moneywise) or tranhumanists. You begin to think about that…..

¿Why is it, you ask, that everyone who stands a chance of creating a much much better universe is concerned with these topics?

1) Promoting the enhancement and improvement of the human condition through use of technology

2) Reducing the odds of catastrophic events that could destroy the lives of, say, more than 50 million people at once.

3) Creating a world through extended use of technology in which some of our big unsolved problems do not exist anymore. (Ageing, unhappiness, depression, akrasia, ennui, suffering, idiocy, starvation, disease, impossibility of creating a back up of one self in case of car crash, not having a very, very delicious life, bureocracy and Death, to name a few problems)

It is now that you begin to realize that just like science is common sense, applied over and over again at itself, Just like science is iterated common sense, transhumanism is iterated altruistic awesomeness.

Sometimes, something that comes from science seems absurd for our savannah minds (splitting quantum worlds, remote controllable beetles, mindless algorithms that create mindful creatures). But then you realize that if you take everything you grasp as common sense, and apply common sense once again to it, you will get a few thing that look a little bit less commonsensical than the first ones. Then you do it again, a little more. And another time. All the steps take you only a little bit further away from what your savannah mind takes as obvious. But 100 steps later, we are talking about all the light coming from a huge exploding ball of helium very far away which disturbs space in predictable ways and that we perceive as sunlight. We call this iterated common sense Science, for short.

Now ¿what if you are a nice person, and you enjoy knowing that your action made a difference? Then you start measuring it. It seems intuitive at first that some actions will be good, saying the truth, for instance. But in further iterations, when you apply the same principles again, you find exceptions like “you are fat”. As you go through a few iterations, you notice the same emotional reaction you felt when common sense was slipping away while you learned science. You start noticing that giving for beggars is worse than for organized institutions, and that your voting does not change who is elected, you notice education pays off in long term, and you understand why states are banishing tobacco everywhere. You realize the classic “prevention is the best remedy”. Here is the point where you became a humanist. Congratulations! Very Few have gotten through here.

It turns out, though, that you happen to know science. So there are more steps to take. You notice that we are in one of the most important centuries of evolution’s course, because memes are overtaking genes, and we just found out about computers, and the size of the universe. We are aware of how diseases are transmitted, and we can take people’s bodies to the moon, and minds throughout most of the earth surface, and some other planets and galaxies. So you figure once we merge with technology, the outcome will be huge. You notice it will probably be in the time of your life, wheter you like it or not.

It will be so huge in fact, that there is probably nothing that you can do, in any other area whatsoever, that stands an awesome altruistic chance against increasing the probability that we will end up in a Nice Place to Live, and will not end up in “Terrible Distopian Scenario Number 33983783, the one in which we fail to realize that curing cancer was only worth it if it was not necessary to destroy the earth to calculate the necessary computations to perform the cure”.

Dawkins points out that there are many more ways of being dead than alive. There are more designs of unsustainable animals. Yudkwosky points out there are many more ways of failing in our quest to find a Nice Place to Live. Design space is huge, and the Distopian space is much greater than the Utopian Space. Also, they are not complementary.

So you kept your Altruistic Awesomeness reasoning with your great intelligence. Guess what, you found out that other people who do that call themselves “transhumanists”, and that they are working to either avoid global catastrophic risks, or to create a world of cognition, pleasure, and sublime amazement beyond what is currently conceivable to any earthling form.

You also found out there are so few of these people. This gave you a mixed feeling.

On the one hand, you felt a little bit worried, because no one in your tribe of friends, acquaintances, and authorities respects this kind of thinking. They want to preserve tradition, their salaries, one or another political view, the welfare state, teen-tribal values,  status quo, ecology, their grades, socialist ideals, or something to that effect. So you were worried because you identified yourself as something that is different from most who you know, and that not necessarily holds the promise of gaining status among your peers because of your ideals, which relate to the greater good of all humans and sentient life, present and future, including themselves, who simply have no clue what the hell are you talking about, and are beggining to find you a bit odd.

On the other hand, when you found out that there are few, you felt like the second shoes salesman, who went to an underdeveloped land and sent a message for the king after his friend, the first salesman, had sent another, from the northern areas of the land.

First Salesman: Situation Hopeless, they don’t wear any shoes…

Second Salesman: Glorious Opportunity, they don’t have any shoes yet!

It took you a long time, to learn all this science, and to deeply grasp morality. You have crossed through dark abysses of the human mind under which many of our greatest have failed. Yet, you made through, and your Altruistic Awesomeness was iterated, again and again, unappalled by the daunting tasks required of those who want to truly do good, as opposed to just pretending. The mere memory of all the process makes you chill. Now, with hindsight, you can look back and realize it was worth it, and that the path that lies ahead is paved, unlike hell, not with good intentions, but with good actions. It is now time to realize that if you have made it through this step, if all your memes cohered into a transhumanist self, then congratulations once again, for you are effectively part of the people on whom the fate of everything which we value lies. ¿Glorious opportunity, isn’t it?

Now take a deep breath. Insuflate the air. Think about how much all this matters, how serious it is. How awesome it it. Feel how altruistic you truly are, from the bottom of your heart. How lucky of you to be at one time so smart, so genuinely nice, and lucky to be born at a time where people who are like you are so few, but so few, that what you personally choose to do will make a huge difference. It is not only glorious opportunity, it is worth remarking as one of life’s most precious gifts. This feeling is disorienting and incandescent at the same time, but for now it must be put in a safe haven. Get back to the ground, watch your steps, breathe normally again and let us take a look at what is ahead of you.

From this day on, what matters is where you direct your efforts. ¿How are you going to guarantee a safer and plentier future for everyone? ¿Have you checked out what other people are doing? ¿Have you considered which human values do you want to preserve? ¿Are you aware of Nick Bostrom who is guiding the Future of Humanity institute at Oxford towards a deep awareness of our path ahead, and who has co-edited a book on global catastrophic risks? ¿Do you know that Eliezer Yudkowsky figured it all out at age 16 after abandoning high-school, and has been developing a friendly form of artificial intelligence, and trying to stop anyone from making the classic mistakes of assuming that a machine would behave or think as a human being would? ¿Did you already find out that Aubrey de Grey is dedicating his life to create an institution whose main goal is to end the madness of ageing, and has collected millions for a prize in case someone stops a mouse from ageing?

The issues that face us are not trivial. It is very dangerous to think that just because you know this stuff, you are already doing something useful. Beware of things that are too much fun to argue. There is actual work that needs to be done, and on this work may lie the avoidance of cataclysm, the stymie of nanotechnological destruction. The same line of work holds the promise of a world so bright that it is as conceivable to us as ours is to shrimp. A pleasure so high that the deepest shining emotions a known drug can induce are to deppressed orfan loneliness as one second of this future mental state is to a month of known drugs paradisiac peaks. To think about it won’t cut it. To talk about it won’t cut it. There is only one thing that will cut it. Work. Loads of careful, conscious, extremely intelligent, precise, awesomely altruistic, and deeply rewarding work.

There are two responsible things to be done. One, which this post is all about, is divulgating, showing the smart altruistic awesome people around that there are actual things that can be done, should be done, are decisive on a massive level, and are not overdetermined by someone else’s actions with the same effects.

The other is actually devising utopia. This has many sides to it. No skilled smart person is below threshold. No desiring altruistic awesome fellow is not required. Everyone should be trying. Coordination is crucial. To increase probability of utopia, either you decrease probability of distopia, cleaning the future space available of terrible places to live, or you accelerate and increase odds of getting to a Nice Place to Live. Even if you know everything I’ve been talking about until here, to give you a good description of what devising utopia amounts to, feels like, and intends, would take about two books, a couple dozen equations, some graphs, and at least some algorithms… (here are some links which you can take a look at after finishing this reading)

This post is centralizing. If you have arrived to this spot, and you tend to see yourself as someone who agrees with one third of what is here, you may be an awesome intelligence floating around alone, which, if connected to a system, would become an altruistic engine of powers beyond your current imagination.

I’m developing transhumanism in Latin America. No, I’m not the only one. And no, transhumanism has no borders.

Regardless, I’ll be getting any work offerings (¿got time? ¿got money? ¿Got enthusiasm? send it along) in case someone feels like it. I’ll also advise (as opposed to co-work) any newcomers who are lone riders. Lone wolfs, and people who do not like working along with others in any case.

Here, have my e-mail: diegocaleiro atsymbol gmail dotsymbol com

There is a final qualification that must be done to the “¿got time?” question. Seriously, if you are an altruist, and you are smart as we both know you are. ¿What could possibly be more worth your time than the one thing that will make you counterfactually more likely to be part of those who ended up the misery of darwinian psychological tyranny, and helped inaugurate the era of everlasting quasi-immortal happiness and vast fast aghasting intelligence which defies any conception of paradise?

If you do have a proper, more than five-lined intelligent response to the above question, please, do send it to my e-mail. After all, there is no point at which I’ll be completely convinced I arrived at the best answer. I’ve only researched for 8 years on the “¿what to do?” question. To think I did arrive at the best possible answer would be to commit the Best Impossible Fallacy, and I’m past this trivial kind of mistake.

Otherwise, in case you still agree with us two hundred that transhumanism is the most moral answer to the “¿What Should I do?” question….Then —> Please send me your wishes, profile, expertise, curriculum, or just how much time do you have to dedicate to it. This post is a centralizer. I’m trying to bring the effort together, for now you know. There are others like yourself out there. We have thought up a lot about how to make a better world, and we are now working hard towards it. We need your help. The worst that could happen to you is losing a few hours with us and then figuring out that in your conception, there are actually other things which compose a better meta-level iteration of your Altruistic Awesomeness. But don’t worry, it will not happen.

Here, have my e-mail: diegocaleiro atsymbol gmail dotsymbol com

Two others have joined already. (EDIT: After Writing this text there are already six of us already) The only required skill is intelligence (and I’m not talking about the thing IQ tests measure), being a fourteen year old is a plus, not an onus. As is having published dozens of articles on artifical intelligence. Dear Altruistic Awesome, the future is yours.

But it is only yours if you actually go there and do it.

We need you!

We need you!

No fim do ano passado me lembro de ter assistido a propaganda do Singularity Summit 2009 e ela ter me passado um sentimento de “Transhumanists of the World, rise!”. Claro que na verdade a conferencia foi sobre singularidade, que é apenas uma subtopico do transhumanismo. Visitando o site da associação mundial transhumanista (agora Humanity Plus) é possível constatar que não existem muitos transhumanistas por ai, pelo o que me lembro a contagem estava em torno de 5.000. Que de fato praticam e escrevem a respeito, com certeza existem talvez menos que centenas. Mas esses poucos tem feito barulho recentemente! Surpreendentemente no Brasil também. Nos meses passados tem aparecido um crescente numero de reportagens de capa a respeito:

Capa da Superinteressante de Novembro de 2009: A pílula da inteligência

Capa da Scientific American edição 90, de Novembro de 2009: A pílula da inteligência

Capa da Superinteressante de Janeiro de 2010: Imortalidade

Capa da Filosofia edição 43, de Fevereiro de 2010:  Transhumanismo

Entrevista com Nick Bostrom, Revista Filosofia No. 48

Matéria sobre o Paradoxo de Fermi e o Futuro da Humanidade, Revista Filosofia No. 47

Nos paises desenvolvidos a exposição na mídia de temas tranhumanistas é ainda maior. Só o fundador da associação transhumanista, Nick Bostrom, já participou de quase 400 entrevistas para revistas como a Times e canais como a CNN. Se com tão poucos transhumanistas ativos já temos feito tanto barulho imagino quando aqueles outros milhares começarem também a se envolver.

O fato é que querendo ou não, você racionalista e amigo da tecnologia terá um papel fundamental no futuro próximo. Cada vez mais esses temas estão sendo divulgados e cada vez mais eles irão parar na discussão da mesa de jantar da pequena elite intelectual que controla a opinião das massas. Por isso não se sinta surpreso de se encontrar cada vez mais freqüentemente na posição de defensor das “loucuras” tecnológicas e acima de tudo nunca tema se colocar ativamente nesse papel. São aqueles que se dispuserem a energicamente causar uma mudança de opinião que serão os primeiros e principais responsáveis pela implementação dos avanços tecnológicos.

Alem dessas situações domesticas também não se acanhe em participar nos meios públicos de divulgação da informação como blogs, sites, revistas, emissoras de TV e rádio. Você tem uma responsabilidade e um papel fundamental no futuro das pessoas com quem você se importa e no futuro da humanidade como um todo, exerça essa responsabilidade.

Os Principais Obstáculos ao Conhecimento Racional

Esse texto concerne os seis hábitos mentais que me parecem ser os maiores desmanteladores do pensamento racional, seja em discussões de senso comum, conversas do dia a dia, ou nos maiores e mais conhecidos artigos filosóficos e científicos1.

Esses seis hábitos são a Falácia Naturalista (e o problema ser-dever), Vagueza, Relativismo, Procura de Skyhooks, Medo de Estatísticas e Reducionismo Cobiçoso. Considerarei primeiramente os primeiros dois, já que eles são as características fundantes dos demais quatro, e são características que podem ser encontradas em pessoas que auxiliam esses memes a se replicar, apesar dos danos devastadores que podem criar e da quantidade massiva de dinheiro neles dispendiada.

A primeira característica concerne uma falta de compreensão de como a racionalidade deve estar engendrada no mundo. A racionalidade deve estar engendrada de duas maneiras, ela pode ser utilizada junto com fatos para prover uma figura, uma descrição de como o mundo funciona, e pode ser usada com ou sem fatos do mundo para provir ideais e idéias sobre ética, como comportar-se, como não comportar-se, e o que é ou não é bom. Ainda que seja tão importante que o pensamento racional esteja engendrado no pensamento ético quanto no pensamento descritivo, é o segundo que será considerado nesse texto, e a ética será apenas parte de minha discussão quando se tratar de sua influência na maneira que as pessoas constroem conhecimento a respeito do mundo e seu funcionamento interno.

1) Dever não é Ser, Bom não é Verdadeiro. (A Falácia Naturalista)

O raciocínio, ao ser utilizado para pensar a maneira que o mundo funciona deveria funcionar de uma maneira não enviesada, e isso significa basicamente uma das coisas mais difíceis de se aceitar para algumas pessoas, que é que o mundo não tem maior probabilidade de se comportar da maneira que você deseja somente porque você assim deseja, o mundo funciona como funciona, e ele não leva em consideração nem o que você considera moralmente bom, nem como você crê que ele deveria ser. Suponha que astrônomos descubram que não haverá um eclipse na terra pelos próximos oitenta anos, e que por alguma razão a mídia mundial divulgasse a notícia como chocante, com o seguinte título: “Toda Uma Geração Humana Ficará Sem Poder Ver Eclipses.” Bem, se as notícias fossem suficientemente convictas, provavelmente haveria uma grande quantidade de pessoas que fortemente desejariam que houvesse um eclipse em suas vidas, do fundo do coração. Mas não é bem provável que alguém começasse a realmente acreditar que haveria um, independentemente de quantas pessoas concordassem que o mundo seria um lugar melhor se houvesse. Isso é facilmente compreensível para qualquer um, mas o mesmo raciocínio não se aplica, por exemplo, à maneira que as pessoas tendem a pensar sobre a natureza humana. Se mostramos a alguém um estudo que diz que algumas pessoas são mais inteligentes que outras biologicamente, ou que homens têm maior probabilidade de estuprar porque nossa espécie é neotênica, a maioria das pessoas diria: “Blasfêmia! Você está tentando justificar terríveis comportamentos baseado na natureza e portanto sua concepção de natureza não pode ser verdadeira. ” “Justificar” é uma palavra bastante ambígua e traquinas, já que pode significar tanto justificar eticamente como logicamente, o que são significados bastante distintos. Nos dois casos considerados, a pessoa que mostra o artigo está de fato tentando justificar logicamente uma razão pela qual algumas pessoas são mais inteligentes e também a razão pela qual algumas pessoas tem tendência a estuprar. Esse tipo de justificativa significa que ele está tentando dar uma explicação, uma maneira de ver, de porque as coisas são como são, de quais fatos do mundo, juntos, geram alguns fenômenos como inteligência diferencial e estupro. Dizer que esses fenômenos são altamente determinados por predisposições biológicas para uma arquitetura cerebral escrita no código genético não é em nenhum sentido possível concordar que essas coisas sejam boas, não é senão concordar que elas são reais, ou muito provavelmente reais.

Por outro lado, a pessoa mostrando os estudos não está tentando mostrar que o mundo deveria ser assim, a maneira como o mundo deveria ser não é o estudo da ciência, nem da filosofia analítica, é o estudo da política, filosofia moral e ética, religião, tecnologia etc…

A compreensão do fato de que a natureza não justifica eticamente nada, ela justifica logicamente, é um importante aprendizado para qualquer um que queira discutir a respeito das coisas do mundo sem um viés ético. O viés ético vem da falácia naturalista, como G. E. Moore chamou esse tipo de desentendimento, ou da confusão entre dever e ser. A falácia naturalista e o problema da confusão do que é com o que deveria ser, são, na minha opinião, os fatores dirigentes por trás do Relativismo, de alguns procuradores de Skyhooks, do Medo de Estatísticas e de algumas formas de Reducionsmo Cobiçoso. Mantendo isso em mente, que verdadeiro não significa bom, voltemo-nos para outra característica comum nas pessoas que falham em evitar esses quatro erros.

2) Vagueza

A vagueza é outra característica comum que mina grandes esforços no campo do pensar, eu cito parte dos pensamentos de Bertrand Russell sobre a vagueza2:

“Existe uma certa tendência naqueles que perceberam que as palavras são vagas a acreditar que as coisas também são vagas. Frequentemente ouvimos bastante sobre o fluxo e o continuum e a não-analisabilidade do Universo, e é frequentemente sugerido que conforme nossa linguagem se torna mais precisa, se torna menos adaptada a representar o caos do qual o homem supostamente evoluiu o cosmos. Isso parece para mim ser uma falácia de verbalismo – a falácia que consiste em trocar as propriedades que pertencem a uma representação e aquilo que ela representa. Salvo a representação, seja cognitiva ou mecânica, não pode existir coisa tal qual a vagueza ou a precisão; as coisas são como são, e isso é tudo. […] Quando o conhecimento é vago, isso não se aplica ao conhecer como uma ocorrência; já que uma ocorrência é incapaz de ser vaga ou precisa, todas as ocorrências são. Vagueza em uma ocorrência cognitiva é uma característica de sua relação com aquilo que é conhecido, não uma característica da ocorrência ela própria. “

Ainda que esse não seja o ponto que ele está defendendo no texto, quero enfatizar o fato de que não é apenas porque as palavras são vagas que as pessoas começam a pensar que as coisas são vagas, existem outras razões para isso. Se as coisas fossem mais vagas, as crenças sobrenaturais das pessoas teriam maior probabilidade de ser inclusas nas coisas possíveis do mundo. Se as leis da física (não as leis conhecidas da física, mas as leis, quaisquer que sejam, sob as quais a física realmente opera) fossem vagas por exemplo, haveria espaço para, digamos, cristãos dizerem que Deus opera no subnível, fazendo escolhas sob a égide das coisas possíveis. Na realidade existem pessoas que dizem que Deus, e também o Livre-arbítrio, realmente operam no mundo numa escala quântica, exatamente porque existe um nível de vagueza aparente no estado atual da teoria quântica. Essa vagueza pode ser igualmente preenchida por razoáveis argumentos matemáticos ou probabilísticos sobre o movimento da matéria3, e é assim que a maioria da comunidade científica os vê, mas onde quer que haja um nível de incerteza, indeterminação, e por vezes vagueza haverão pessoas irracionais tentando impor suas crenças, de natureza religiosa ou não, no mundo, para fazê-lo parecer um pouquinho mais como elas desejariam que fosse, e um pouco menos como ele realmente é.

A vagueza e a falácia naturalista são hábitos mentais bastante perigosos, e eles vem sempre acompanhados dos outros quatro tipos de erros que considerarei daqui em diante.

3) Relativismo

O maior objetivo do meme relativista é permitir que os memes do relativista sejam verdadeiros, independentemente dos fatos. O relativismo é um meme muito apelativo porque permite todos os maus hábitos que alimentam o intelecto do pseudo-intelectual. Ele tem largo espaço para ser vago, já que as coisas e a realidade para um relativista dependem da pessoa que está falando sobre elas, e do momento histórico no qual a pessoa está inscrita, da concepção de verdade da academia e dos sistemas controladores de poder etc… Elas não dependem. A realidade depende de como o mundo é, e o fato de que algumas visões de mundo estão embebidas em bobagem acadêmica é mais provavelmente uma consequência do relativismo do que algo que o relativismo pretende evitar. Existe um mundo lá fora esperando para ser conhecido, esse mundo não se importa se você estuda na Universidade de Cambridge ou na Universidade Desconhecida N 2039, na qual o acordo tácito é desprezar a idéia de verdade, mesmo que uma verdade não totalmente ou imediatamente acessível e pragmática. A gravidade funciona na Ruanda e no Chade tanto quanto em Mônaco ou nos Estados Unidos. Mulheres que aparentam ser mais férteis são consideradas atraentes na Austrália bem como na Itália, porque isso depende de uma tendência biológica de machos de desejar fêmeas que tenham maior probabilidade de lhes dar uma criança. A estrutura do universo não é relativa. Ela é desconhecida, já que seria necessário ao menos outro universo para computar esse. Ela também pode ser “incerta” da perspectiva de um observador olhando para o futuro, como as interpretações com colapso da física quântica desejam mostrar. Mas não é relativa, não existe algo como a terra girando ao redor do sol para você mas não para mim. Não há algo como “Há igual validade nas crenças de todos”. Esse meme é o que eu chamaria de O Meme New Age. O Meme New Age, cujas profundas raízes estão na filosofia posmodernista, no modelo tradicional de ciência social (Standard Social Science Model), e no meme para aceitar crenças religiosas alheias, é um meme muito perigoso. Ele ameaça a ciência hoje em dia como a inquisição o fez na era medieval, quando as pessoas se recusavam a cessar de acreditar que a tecnologia faz suas vidas melhores, e sistematicamente, mesmo que insconscientemente, desafiavam dogmas estabelecidos.

O Meme New Age vem de um passado nobre, já que suas intenções eram promover a paz, religiosa e política, e a liberdade. Mas alguns desses memes foram exaptados para o campo da ciência, e dali para a apreciação do povo, que, é claro, inverteu tudo e tornou-o a melhor desculpa contemporânea para acreditar em coisas completamente absurdas, como astrologia, o poder da mente, e todo tipo de substitutos new age para a religião… Ele também por vezes caminha junto com o meme “tudo é possível”. Esses dois memes são perigosos porque fazem parecer que cada um é o responsável causal por seu próprio estado de bem-estar, o que noutras palavras significa que pessoas que estão deprimidas, tristes, pobres, ou não inteligentes são responsáveis por seus próprios destinos, já que a “verdade” deles depende de seus próprios desejos e vontades, não de eventos além de seu controle. Para aqueles que acreditam nesses memes (ou uma caricatura deles) não há razão para ser justo, ou para corrigir malícias sociais, afinal de contas, tudo é possível, você só tem de desejar o suficiente.

4) Procurando por Skyhooks

O conhecimento racional é algo que pode vir de qualquer linha de pesquisa, e essa tem sido a principal razão para a existência de considerável liberdade na escolha de pesquisadores de seus tópicos de estudo, relativamente, por exemplo, a liberdade de um construtor de carros na maneira como ele vai performar seu trabalho. É da liberdade acadêmica, e um pouco menos da liberdade intelectual garantida por um escritório de patentes na Suíça, que vêm as mais interessantes idéias que posteriormente se tornam mainstream. Liberdade de escolha, quando se trata das forças por trás da pesquisa aparentariam ser, portanto, uma técnica bastante sábia para obtenção da melhor qualidade de produção. Mas isso não parece ser a verdade. Existe um hábito da mente que, como parte dos programas de pesquisa, causou mais mal do que bem. Esse hábito, seguindo a apreciação de Daniel Dennett em A Perigosa Idéia de Darwin, eu chamarei de “procurando por Skyhooks”.

Um Skyhook (gancho-celeste) na explicação dele é “…[Uma] força ou poder ou processo de “precedência da mente”, uma exceção ao princípio que todo o design, e o design aparente, é em última instância o resultado de mecanicidade sem motivos e sem mentalidade. Um Crane [guindaste], em contraste, é um subprocesso ou propriedade especial de um processo de design que pode ser demonstrado ser ele mesmo um previsível (ou retrospectivamente explicável) produto do processo básico”

Os Skyhooks são legatários de uma idéia de deus ex machina, a figura divina fictícia que salva o herói quando o autor o meteu numa enrascada sem saída. Crianças ao criar histórias tipicamente fazem utilização de uma espécie de deus ex machina simplificado: “E então ele encontrou o dragão e ficou preso na caverna e quando o dragão ia morder ele ele, ele…. acordou, era tudo um sonho e ele viveu feliz para sempre, Fim.” No teatro grego essa função era cumprida principalmente por seres divinos (e portanto antropomórficos), a sugestão era que houvesse uma mente capaz de, acima e além das forças naturais, resolver um problema.

No mundo da ciência é muito comum que haja pessoas que fazem o mesmo tipo de suposição, aquele objeto não pode ter surgido por meios naturais, tem de haver alguma mente, uma interferência superior que possibilite tal maravilha. Mas de novo e de novo aquilo que não podia ser explicado com as ferramentas da ciência de uma década acabam sendo explicados na década seguinte, como um subproduto sofisticado mas apenas composto dos produtos básicos anteriores, com o auxilio de Cranes (guindastes), eles mesmos também feito do produto original. E então os procuradores de Skyhooks voltam sua esperança para alguma outra maravilha do mundo que simplesmente precisa ter sido criada por algo que veio do céu.

Ele sugere o caso de procuradores de Skyhooks no Darwinismo. Primeiro pontuando que todo o design foi criado por este processo cego e mecânico e depois reforçando “Poderia isto ter realmente acontecido? Ou precisou o processo de uma ‘mãozinha’ [leg up] vez ou outra (talvez apenas no comecinho) de algum tipo de Skyhook? Por mais de um século, céticos têm tentado encontrar uma prova de que a idéia de Darwin simplesmente não pode fazer o trabalho, ao menos não todo o trabalho. Eles têm desejado, caçado, rezado por Skyhooks, como exceções ao que eles veem como a sinistra visão do algorítmo darwiniano se solidificando como manteiga. E de novo e de novo, eles surgem com desafios muito interessantes – saltos e lacunas e outras assombrações que parecem, de início, necessitar de Skyhooks, mas daí vem os Cranes, descobertos em muitos casos pelos mesmos céticos que estavam esperando encontrar um Skyhook”

Moderação contra oponentes intelectuais não é uma qualidade extensivamente presente no trabalho de Dennett, mas esse parágrafo me parece ser levemente moderado demais, uma particularidade que é, é claro, corrigida bem até demais no restante do livro. Ainda assim, existem algumas coisas pontuadas nele que serão úteis ao nosso escrutínio, num sentido neutro, mas não moderado.

É claro que é possível que os Cranes (guindastes) sejam descobertos pelos céticos que estavam desejando um Skyhook (gancho-celeste). Considerando que a maioria dos céticos com relação ao darwinismo são raramente céticos também com relação a suas inclinações mentais e hábitos mentais, e muito mais céticos a respeito de estatísticas (já que existe bastante evidência a favor, e muito pouca contra, o darwinismo) é altamente improvável que eles tenham um papel significante na descoberta de Cranes. É claro que o escopo desse texto abrange do senso comum e conversas de dia a dia até artigos acadêmicos, e existe uma proporção diferencial que deve ser atribuída de tolerância aqueles com o hábito de procurar Skyhooks nesses diferentes contextos. Não devemos tolerar ou aceitar com moderação a busca por Skyhooks numa conversa genérica, ou numa discussão de senso comum, já que este seria o caso das pessoas que estão rezando por, e desejando Skyhooks. Num grau muito menor, eu creio que as pessoas que caçam Skyhooks também permanecem um obstáculo para a construção do conhecimento racional. No caso do desejador e do orador é fácil ver que eles não fazem nada senão alimentar inclinações ilógicas, crenças anti-estatísticas e desejos improváveis das pessoas a seu redor. Ao caçador, por outro lado, não podemos atribuir que esteja fazendo a mesma coisa já que ele está executando um programa de pesquisa, e portanto ele poderia descobrir que de fato está certo, e se esse é o caso, então há Skyhooks, ele de fato haverá criado conhecimento racional. É sobre a possibilidade de que as pessoas estejam certas que se sustenta a liberdade acadêmica, mas a liberdade acadêmica não pode ser confundida com o relativismo. Não pode haver uma realocação de recursos do mesmo montante à hipótese de que o câncer é causado por um pote de chá orbitando Marte, a de que é causado pela devastação das florestas, e a de que é causado por algum tipo de mau comportamento celular bioquimicamente explicável. A razão para isso é que, ainda que esses três programas de pesquisa possam de fato se revelar corretos, eles têm uma probabilidade muito diferente de fazê-lo. Já que há evidência estatística (para não dizer lógica!) a favor da hipótese da célula, o defensor da devastação florestal tem o ônus da prova de mostrar porque é necessário estudar seu caso. Ainda mais difícil é o caso do defensor do pote de chá, já que ele também carrega o ônus da prova da existência do pote de chá orbitando Marte, que não exibiu particular evidência desde que Russell escreveu a respeito dessa possibilidade (e improbabilidade) muitas décadas atrás.

Voltemo-nos agora a nosso caso, e depois de deixar a absoluta maioria de procuradores de Skyhooks, os desejadores e os oradores, pensemos a respeito do caçador. O caçador, quando ele se propõe a procurar um Skyhook tem o ônus da prova de mostrar porque é provável que alí exista um, já que o passado não mostrou evidências de Skyhooks (com aproximadamente 2000 anos de pesquisa somente na cristandade). Já que sempre houve uma grande quantidade de dinheiro sendo alocada na pesquisa por Skyhooks fora do mundo acadêmico pois os oradores pagam os caçadores para continuarem vigiando em busca deles, eu diria que o mundo acadêmico e o mundo do conhecimento racional em geral não estariam ameaçados se eles varressem todo o dinheiro que eles fornecem aos caçadores de Skyhooks e o utilizassem para atividades que têm maior chance de produzir conhecimento, como pesquisa em bioquímica ou alimentar sapos com caviar.

5) Reducionismo Cobiçoso

Dos seis maiores obstáculos para a construção de conhecimento racional, o Reducionismo Cobiçoso é o menos comum, e também o menos perigoso. Ele é o oposto da procura por Skyhooks, tendo seu nome também tirado de A Perigosa Idéia de Darwin.

O reducionistas cobiçosos pensam que não haja Cranes (guindastes), e que tudo deve poder ser explicado em termos simplísticos, sem nenhum tipo de alavancagem interna do sistema. Pulam da física de partículas para a sociologia em apenas um passo, sem percorrer todas as alavancagens (Cranes) intermediárias que normalmente pensamos entre essas áreas.

O bom reducionista seria aquele que por um lado não procura nada no céu para auxiliá-lo, ou seja, não procura Skyhooks, e por outro lado leva em conta a existência de processos internos ao sistema de alavancagem que permitem novos níveis de complexidade, os Cranes.

Toda vez que alguém tenta fazer uma teoria sobre um fenômeno, ela deve, ao menos em princípio, poder dar origem a um programa de pesquisa que possa compreender partes do fenômeno, ou aceitar o fato de que há uma parte do fenômeno que não pode ser atacada naquele nível de explicação.

Um exemplo clássico é uma crítica no texto de Tomas Nagel “O Que É Ser um Morcego” 4 na qual ele critica o fato de não termos uma linguagem descritiva de estados mentais que seja independente do observador, e portanto nós não podemos sequer começar a falar do que é ser um morcego. A razão para não termos essa linguagem é que não temos uma teoria dos estados mentais no nível correto de análise, e o nível de análise no qual temos uma forma descritiva de falar sobre eles (o nível físico ou biológico por exemplo) não são suficientes para uma teoria da mente, quanto menos da mente de morcegos.

O que Nagel está pontuando é que ele acha que a filosofia da mente na época estava sendo uma reducionista muito cobiçosa, já que os níveis de explicação que ela propunha (só o biológico e o físico) não eram suficientes para uma teoria completa.

A fronteira entre o reducionismo cobiçoso e o bom reducionismo é bem menos clara do que a fronteira entre bom reducionismo e a procura por Skyhooks. Isso basicamente porque no primeiro caso ambos os lados tem o ônus da prova, já que o Cobiçoso João pode argumentar que “Todo fenômeno até hoje foi explicado somente com este e aquele níveis de análise” ao que Parsimonioso Harry responderá “De fato, mas há alguns fenômenos que existem de fato, como X ou Y que ainda não são explicáveis nesses níveis e que podem ser explicados no nível Z.” Já que a questão de ser o nível Z requerido ou não para uma explicação é uma questão empírica, deve haver investimento em ambos os lados, e o Reducionismo Cobiçoso tem seu lugar garantido.

Não é no Reducionismo Cobiçoso acadêmico que o problema para o conhecimento reside. Caçadores cobiçosos são sempre bem vindos. São os oradores e desejadores que são novamente perigosos, já que eles comprometem a possibilidade até mesmo de levar em consideração a possibilidade do nível Z de explicação. O Behaviorismo era uma boa idéia, e uma boa tentativa, mas agora é evidente que a psicologia precisa de um nível de explicação que explore mais níveis do que apenas condicionamento operante, condicionamento no nível físico. A possibilidade de entender os erros de Skinner só existiu porque alguém foi um bom reducionista, e não existe razão em particular para advogar publicamente o Reducionismo Cobiçoso mais do que existe para advogar que não criemos novos níveis de análise da economia ou da política. Explicar quase tudo em termos de quase nada não é algo ruim, mas é importante que de fato haja uma explicação, e não apenas uma petição apelativa que declara que o nível superior pode ser explicado em termos do inferior mas não demonstra como isso poderia ocorrer.

6) Medo de Estatísticas

Todos sabem que a África sub-saariana é mais pobre que o oeste europeu e ninguém acredita que essa informação deva ser mantida num cofre secreto, mas a mesma crença não parece existir para outros tipos de informação. A razão para isso, outra vez, é a falácia naturalista, que agora estenderemos conjuntamente com a confusão entre Ser e Dever na “falácia atualística”

Enquanto a falácia naturalista declara que o que é natural é bom, a falácia atualística dirá que o que é de fato ocorrente é bom. Ambas estão subscritas no mesmo erro, o erro de transformar verdade em bondade. É verdade que se você tomar dois grupos particulares entre os seres humanos e fizer um teste em ambos eles, a performance de um dos grupos irá ser em média melhor que a do outro, salvo nos casos em que todos falhem na tarefa (por exemplo “voar”) ou conseguida por todos eles (“pesar mais do que 4 quilos).

A questão a respeito de se as pessoas que usam bonés têm maior ou menor chance de usar óculos azuis no jantar do que pessoas que não é uma questão sobre um fato do mundo, e ainda que não tenhamos uma resposta para ela, existe uma resposta esperando ser descoberta. Suponha que descubramos que de fato pessoas que usam boné têm maior chance de usar óculos azuis no jantar, isso é apenas informação factual, e seria uma falácia atualística assumir que isso seja uma coisa má ou boa nela mesma. Não faz sentido fazer uma asserção do tipo : “O comportamento de usar óculos azuis deveria ser mantido pelos usuários de bonés porque usuários de boné têm maior probabilidade de usar óculos azuis.” Até aqui tudo bem, o mesmo vale para a África e Europa “Pessoas da África deveriam ser mais pobres que pessoas da Europa, porque pessoas da África são em média mais pobres que pessoas na Europa”.

Ambas são completamente absurdas, elas inferem ética dos fatos, e a ética não concerne aos fatos, ela concerne as intenções, e ao que deve ser feito. A estatística não nos diz o que deveríamos fazer, ela nos diz o que está se passando.

Uma vez que isso esteja entendido, devemos nos voltar a uma questão diferente. ¿É bom saber o que está se passando? Não em todos os casos, com certeza. Uma criança não deve saber que um certo botão ativa uma bomba se ela não tiver clareza de o que é uma bomba, ou que não é uma boa ativar bombas em geral. Uma pessoa muito gorda não deveria ser sistematicamente lembrada desse fato mais do que o suficiente para percebê-lo. Mas há outras naturezas da verdade que é bom espalhar.

¿Que teremos então a dizer quando de fato o que se está passando é terrível, como no caso da pobreza? Nesse caso parece claro a maior parte dos pensadores que deveria haver algum tipo de auxílio internacional que ajudasse o desenvolvimento da vida de pessoas pobres. Estranhamente, as pessoas se comportam eticamente quanto a esse caso, e não eticamente no caso de preocupações econômicas a respeito de mulheres negras. Pessoas preconceituosas diriam: “É por causa dessas mulheres negras que meu país não evolui, garotas negras jogam fora o dinheiro de meus impostos em sua falta de educação, deveríamos parar de ajudar”. Não é preciso dizer que isso é absurdo, e mais importante do que ser absurdo, não segue de nenhuma estatística no mundo, não poderia, porque não é uma afirmação a respeito de fatos, o “deveríamos” e o “jogam fora” dentro dela fazem dela uma asserção ética, que não pode ser confirmada ou desconfirmada por evidências.

O que é perigoso para o conhecimento é que mesmo pessoas não preconceituosas adotarão uma interpretação muito equivocada dos dados quando, por exemplo, disserem que essa informação deveria ser escondida para fazer o preconceito ir embora. Isso não é verdade, o preconceito sempre precedeu a informação, o preconceito é bastante comum entre caçadores coletores e índios, e má ética irá surgir onde quer que informação seja escondida. Por exemplo, existe evidência considerável de que a diferença de QI entre negros e brancos em 1981 nos EUA era causada em parte por razões sociais. Se nós apresentarmos apenas a informação bruta, de que brancos ganham tem QI maior do que negros, é possível que encontremos sérios problemas para nossa vida pessoal, mas se não escondermos a parte mais importante dos dados estatísticos, a causa provável para que haja uma diferença estatística, então estaremos fazendo bem.

Saber as causas de algo que nos parece uma chocante diferença entre como o mundo é e como deveria ser é em geral uma coisa muito boa. Pense sobre as afirmações preconceituosas de alguns europeus sobre os estrangeiros que vão trabalhar em seus países, se eles disserem “eles são estúpidos”, o que é uma maneira bastante desprazeirosa de dizer “eles são em média menos inteligentes do que pessoas nascidas na Europa” eles estarão fazendo uma afirmação um tanto quanto verdadeira com um viés ético extremamente condenável. Mesmo se eles forem, de fato, por medidas como profissão ou QI menos inteligentes, a informação sobre causas foi escondida, e então não há razões tangíveis e intuitivas acessíveis para que o preconceito vá embora. Se por outro lado as causas forem sistematicamente pontuadas, então haverá razão não apenas para a redução do preconceito em troca da neutralidade, mas também haverá mais razões para que boas ações políticas surjam. Esses estrangeiros têm alta probabilidade de ser pessoas pobres em seus países por exemplo, e alta probabilidade de terem tido uma educação muito ruim comparada com as pessoas nascidas na suiça por exemplo. Se essa parte da informação é negada, então não há espaço fácil e acessível para a redução do preconceito. Isso funciona em princípio até para informação que em geral deveria ser mantida em segredo, a criança que não deve saber sobre o botão que ativa a bomba poderia ser prontamente avisada sobre ele, quando ele tenha idade o suficiente para entender as causas e efeitos que estão envolvidos em todo o mundo da ativação de bombas, das causas da existência de uma bomba até as razões pelas quais algumas pessoas têm o poder causal de ativá-la e outras não. A pessoa gorda pode ser lembrada de sua condição, contanto que se mantenha território para uma causalidade desculpável. Por exemplo, se alguém é gordo por causa de metabolismo lento, é muito menos maldoso dar-lhe ambas a informação factual e a informação causal ao mesmo tempo do que prover apenas a informação factual.

Tivemos o suficiente da falácia atualística, o medo de estatísticas (ou de asserções provavelmente estatisticamente verdadeiras) é então o último dos hábitos daninhos que encontraram seu lugar de desenvolvimento em nossa sociedade em certa medida anti-matemática e anti-realistica.

Conclusão

Esses seis hábitos:

Dever não é Ser, o Bom Não é o Verdadeiro. (ou falácia naturalista)

Vagueza

Relativismo

Procura de Skyhooks

Medo de Estatísticas

Reducionismo Cobiçoso

…foram responsáveis por inaceitáveis perdas para o Homem, certamente zilhões de Reais, milhões de vidas e quantidades absolutamente imensuráveis de conhecimento. É chegado o momento de nos erguermos contra esses inimigos, sejam eles inimigos internos, tentando ultrapassá-los, ou inimigos externos, mostrando as causas para os desentendimentos das pessoas a respeito das coisas para auxiliá-las a pensar mais claramente a respeito de todo tipo de assunto. Mais que tudo, devemos desencorajar a Falácia Naturalista o máximo que possamos, pois ela deve ser considerada a força diretora por trás de uma quantidade de mal e escuridão sobre nosso mundo que faria com que as pessoas sentissem seus estômagos retorcerem, se fossem revelada como tal.

Nossas mentes têm imensas capacidades, e está dentre elas a habilidade de discernir dentre fatos confiáveis e não confiáveis, ou idéias. Se formos nos dedicar orgulhosamente a fazer desse discernimento uma questão de preocupação pública, nós estaríamos dando um grande passo na direção sempre vivo paraíso dos filósofos e profetas, apontemos nossas flechas na direção certa, e dentro de tempo o suficiente, existe maior esperança em um mundo menos preconceituoso, mais inteligente e mais sofisticado.

1Para uma brilhante defesa contrária a parte dos pontos aqui defendidos, ver O Colapso da Verdade e Outros Ensaios, de Hilary Putnam

2 Russell, Bertrand, Collected Papers, vol. 9, pp. 147–154

3Não exatamente da matéria, mas da onda probabilística determinada pela função de onda. Para aqueles que defendem como eu a interpretação dos muitos mundos da física quântica, retire a palavra “Probabilística” da sentença anterior. ¿Quer aprender mecânica quântica de maneira intuitiva? A sequência de Eliezer Yudkowsky sobre o tema é o lugar certo para isso. http://lesswrong.com/lw/r5/the_quantum_physics_sequence/

4 Nagel, T. 1974 “What Is It Like to Be a Bat?” Philosophical Review 83:435-50.

Leituras para uma boa formação filosófica

Desde a ultima vez que fiz uma lista de livros importantes aqui no blog minhas concepções mudaram bastante, por isso resolvi fazer uma nova lista. Ai vai:

On the Plurality of Worlds, David Lewis

Livro em que o autor defende o realismo modal: todos os mundos possíveis logicamente existem. Simplesmente brilhante, um exemplo máximo do que é pensar analiticamente. Deixando o mérito da tese de lado, esse livro serve primordialmente para ensinar a pensar. Claro, complexo, engraçado, central, genial!

Antropic Bias, Nick Bostrom

Dissertação a cerca de como raciocinar quando o objeto de estudo sofre efeitos de seleção dependentes do observador. Aplicação de uma reformulação mais exata do principio antropico – a Self Sample Assumption – a temas como: interpretações dos muitos mundos, teoria das decisões, termodinâmica e cosmologia. Inteligente, complexo e divertido.

Axiomatic Set Theory, Patrick Supes

Exposição detalhada e axiomática da teoria dos conjuntos.

Inexhaustibility: A Non-Exhaustive Treatment, Torkel Franzen

Introdução, a partir do zero, ao teorema de Godel bem como a resultados mais recentes a respeito. Aborda lógica de primeira ordem (sintaxe, semântica e metateoremas) recursividade e ordinais para ao final introduzir o teorema de Godel e fechar o livro com teoremas recentes de Feferman.

Física Quântica, Eisberg

Física quântica básica qualitativa. Ótima primeira introdução ao tema.

Naming and Necessity, Saul Kripke

O autor propõe a existência de enunciados a priori contingentes e a posteriori necessários. Traça uma analise da linguagem e de como se constrói a referencia, fazendo uso do instrumental de mundos possíveis.

Alguns artigos:

Infinite Ethics, Nick Bostrom

Relevante e profunda analise sobre os problemas que a ética enfrenta do fato do universo ser infinito: a ação finita de qualquer individuo não altera o computo infinito total. Hiper reais, aritmética ordinal, cosmologia moderna e uma lição de como usar todo o instrumental cientifico- matemático a nosso dispor para resolver questões filosóficas.

Existencial Risks, Nick Bostrom

Discute os riscos existenciais que a humanidade sofre. Estamos especialmente despreparados para eles, uma vez que nunca fomos extintos. Tem como ser mais importante e essencial do que refletir sobre como evitar o fim da humanidade?

Cognitive Bias, Elizier Yudkowsky

Apresenta os bias cognitivos que afetam nossos julgamentos dos riscos existenciais.

Beyond Belief, Daniel Dennett

Content and Epistemology of Phenomenal Beliefs, David Chalmers

É apresentada a tese de que a consciencia não é redutivel ao fisico, bem como sua justificação. Argumentação direta, bem construida e brilhante.

Why So Few?

You can either watch the video, or read the following passage, from the movie Waking Life.

“There are two kinds of sufferers in this world:
those who suffer from a lack of life…
and those who suffer from an overabundance of life.
I’ve always found myself in the second category.
When you come to think of it,
almost all human behavior and activity…
is not essentially any different from animal behavior.
The most advanced technologies and craftsmanship…
bring us, at best, up to the super-chimpanzee level.
Actually, the gap between,
say, Plato or Nietzsche and the average human…
is greater than the gap between that chimpanzee
and the average human.
The realm of the real spirit,
the true artist, the saint, the philosopher,
is rarely achieved.
Why so few?
Why is world history and evolution not stories of progress…
but rather this endless and futile addition of zeroes?
No greater values have developed.
Hell, the Greeks years ago were just as advanced
as we are.
So what are these barriers that keep people…
from reaching anywhere near their real potential?
The answer to that can be found in another question,
and that’s this:
Which is the most universal human characteristic–
fear or laziness?”

What blocks the path of man? Who is to blame? Why so few? Why so few?

Most men would sooner die than think, in fact, they do so. Bertrand Russell

To put my intellectual talent to proof, I usually avoid common routes of thought, and I endeavour to find the uneasy path of the peculiar explanation. This is not the case this time. I wish to take the easy road.

From the beggining of craftsmanship and greatness, eons ago, Man has understood that with great power, comes great need to control the minds of people. A thousand strategies to intervene with human affairs and secure a safe and totalitarian state of mind have been tried, and most perished with their societes, their leaders, and their thieves. One, above all, has been fruitful enough to survive to this day. Religion.

No one today doubts that religion has been an evil force for most of the time it has existed, though not all recognize that a great deal of moral safety was created through it. If has religion made any useful contributions to civilization is not my present theme, for I do not profess to thrive further than did Bertie. But I want to give a temptative answer to the “Why so few?” question. Religion is the main force beneath it. The way of religion is that of a dog’s master, and the first thing a dog ought to understand is who is the master, and who is the dog. Pope Benedict has extensively written on the topic of secularization, that is, the enlightment of institutions, during which structures which were previously religious become progressively secular, during such process many of the sociological basis of religiousity of course tend to remain embedded within the infrastructure of the concerned parties, which is what I wish to hold responsible for our lack of greatness.

If there is no cannon professing idiocy and stupidity (and I am ready to acknowledge ignorance of the gospels) then it seems that priests got it all backwards. I assume, therefore, that the teachings of most major religions are explicit when it comes to professing lack of knowledge as a path to the heavens. That being so, I reckon the reason ought to be because such an envinronment would be great to enforce and put in evidence the unfathomable distance between Man and God. What better way to show devotion than with a respectful distance of the throne? The kings of old were tought never to touch with more than two finger a glass cleaned by a peasand, and I can feel the same spirit in Gods choice that his herds be so stupid as to never touch his creation. When the kings of old died, the structure of monarchy has lasted for very long, and to this day we see nobles hanging around in fancy dressing and being covered in the local media, for the peasants pleasure. Why should we expect different behavior from current societies? God is dead, but that has brought us no further when it comes to creating greatness of achievement;, for our social structure is still under the guidance of a last commandment, the commandment of “Us, and Them”.

They are the great ones, those whose leadership and genious have traced the history of mankind, those whom history shall never forget, and for whom we are all eternally greatful. Us, on the other hand, are a group of children, afraid of the powerful forces of nature and unable to deal with even the slightest disturbance in common thought and life. Us is those who will never make a difference, is those who shall never fight, or know why to fight. Us has no purpose, no happiness, no moral, us is but what makes the machine move .
The mind has been poisoned with these ideas for thousands of years, and there is no reason to think they shall fade away without effort. The gap between us and them is no longer there, in fact, it has never been. We are all humans, and though there is a disproportionate distribution of skill, it is unbelievably less steep a hill than have the priests of old made us believe.

The spirit is now free to fear no more, and it is time to bridge the gap, and understand that what separates us from them is but a metaphisical barrier which must be struck apart and destroyed. May we all fight togheter.

“How, in such an alien and inhuman world, can so powerless a creature as Man preserve his aspirations untarnished? A strange mystery it is that Nature, omnipotent but blind, in the revolutions of her secular hurryings through the abysses of space, has brought forth at last a child, subject still to her power, but gifted with sight, with knowledge of good and evil, with the capacity of judging all the works of his unthinking Mother. In spite of death, the mark and seal of the parental control, Man is yet free, during his brief years, to examine, to criticise, to know, and in imagination to create. To him alone, in the world with which he is acquainted, this freedom belongs; and in this lies his superiority to the resistless forces that control his outward life.”
” Let us preserve our respect for truth, for beauty, for the ideal of perfection which life does not permit us to attain, though none of these things meet with the approval of the unconscious universe. If Power is bad, as it seems to be, let us reject it from our hearts. In this lies Man’s true freedom: in determination to worship only the God created by our own love of the good, to respect only the heaven which inspires the insight of our best moments. In action, in desire, we must submit perpetually to the tyranny of outside forces; but in thought, in aspiration, we are free, free from our fellowmen, free from the petty planet on which our bodies impotently crawl, free even, while we live, from the tyranny of death. Let us learn, then, that energy of faith which enables us to live constantly in the vision of the good; and let us descend, in action, into the world of fact, with that vision always before us.”
” In these moments of insight, we lose all eagerness of temporary desire, all struggling and striving for petty ends, all care for the little trivial things that, to a superficial view, make up the common life of day by day; we see, surrounding the narrow raft illumined by the flickering light of human comradeship, the dark ocean on whose rolling waves we toss for a brief hour; from the great night without, a chill blast breaks in upon our refuge; all the loneliness of humanity amid hostile forces is concentrated upon the individual soul, which must struggle alone, with what of courage it can command, against the whole weight of a universe that cares nothing for its hopes and fears. Victory, in this struggle with the powers of darkness, is the true baptism into the glorious company of heroes, the true initiation into the overmastering beauty of human existence. From that awful encounter of the soul with the outer world, renunciation, wisdom, and charity are born; and with their birth a new life begins. To take into the inmost shrine of the soul the irresistible forces whose puppets we seem to be — Death and change, the irrevocableness of the past, and the powerlessness of man before the blind hurry of the universe from vanity to vanity — to feel these things and know them is to conquer them.

Words That Don’t Exist in English

The limits of my language mean the limits of my world. Wittgenstein

Everyone who speaks english as a second language is overwhelmingly bothered by the words he think are essencial for a good life, but that do not exist in that language. (Overwhelming by the way does not exist in my mother tongue portuguese). Here I will talk about the ones I think that cannot be missing no longer. That make life worth living. If you have another first language, I suggest you comment adding your own words to the list.

1 Carinho: (Other languages, Spanish: cariño) Best english equivalent: caress.

Carinho is a noun. It is something you do to people. I’m going to do carinho on Yannik means that I will do something involving physical contact and affection to Yannik. Like put him on my lap and stroke his head, or hug him, or in some way demonstrate love and affection in a physical way.

Carinhoso is the adjective that denotes the person who is usually full of physical affection towards others. The typical cookies-cooking grandma is a person who is carinhosa. When you shake hands or hug with a carinhoso sometimes you feel your body hair go up, because it is just good.

2 Saudade: (Spanish: sodades) Best english equivalent: The feeling you have when you miss someone.

Saudades is a noun as well. It is something you have of people. I have saudades of Petra means that I miss Petra, not only in the sense that I want her to be with me, but in the sense that there is something in my heart that reminds me of the affection I have for her. In fact, you can have saudades of someone even if they are not coming back. The relation of saudade refers to the past, meaning that you miss not the actual Jessie, but the Jessie you have met a long time ago, with whom you have spent great times. You can have saudades of someone that you hate now, because the feeling you have is directed towards the past.

Saudades is a persistent feeling, in the sense that you feel it even when you don’t know it is there, and that you may have saudades of something that you don’t remember, it is a state of mind independent of the thing you miss, in a sense, but usually you can remember.

You can have saudades of situations, places, years, persons, animals etc… like missing. When you have saudades of someone you are declaring a good feeling, not like nostalgia, or missing as in lacking, but as if you were throwing some energy in that person. Saudades is something that may make you cry, but you are more likely to smile in retrospect.

3 Ficante: No equivalent in any language.

Ficante hasn’t made it into portuguese dictionaries yet, but it sure will. It is a new word invented to describe a relashionship, like the words “dating, seeing, married”. It is an adjective, and the use is like “Joel is Marion’s ficante” or “This is Joel, my ficante” said by Marion. I must introduce a Brazilian notion of sexuality before I proceed:

Brazilians like kissing, for us, kissing is not just the thing that happens prior to sex, the way towards sex with girl, or something like that. Kissing is worth it in itself. Kissing is something you do because you want to kiss, not because you want to have sex. Of course one doesn’ exclude the other. In fact some people like kissing while they are having sex, and think that this makes the experience twice as absorbing, commiting and pleasant. I have heard people talking about kisses that were better than sex, and I myself have done comparisons in that sense. Enough about kissing.

When you kiss someone, here, it does not automatically mean neither that you will have sex, nor that you are now in a relashionship. It could be that you have just kissed, and that is all.

Now suppose that you have kissed more than once (you may or may not have had sex), Joel and Marion have kissed each other a few times, they are beggining to like each other, what is the nature of that relashionship? First, they are not girlfriend and boyfriend, for none asked the other to get into a formal relashionship. Second, they are not obliged to only kiss one another. Third they may like each other, like a lot, love, or love a lot.

Now, most cultures do not have the Second one, if people are kissing, there is tacit moral obligation of not kissing other people. The word ficando means exactly a relashionship in which this does not happen. Both sides know that they can kiss other people. Two people may be in terrible love, passion, or just liking each other, they can be ficando. Ficando (the name of the relashionship between two “ficantes”) is independent of how much you like someone, it describes only that you kiss each other (having sex or not) and that no one has been tyranic enough to ask if the other one want to be “namorando” (A girlfriend is “namorando” her boyfriend, a boyfrend is “namorando” his girlfriend, that is what it means) in the sense that you are not allowed to have relations with others. Of course that some people have formal open relashioships, the difference is that here, if you are in an informal relashionship, by definition you are in an open relashioship. Furthermore, that does not mean that you do not love someone, it just means that the relashioship you have has not been formalized in any way.

Ficante, Carinhoso and Saudades are the words that I think are essential in the portuguese language, and that restrict the world of thought of people who do not know it. I would like to see them in english someday, for I think they make the world a better place.

Minha crise de valores II

Postei este post no meu blog pessoal, enquanto lá ele expressa uma angústia da minha existência, creio que aqui ele soa mais como um desabafo pessoal da minha dificuldade em enfrentar um fato já bem aceito por vários de vcs.

Esta não é verdadeiramente uma segunda crise, é muito mais o desenvolvimento natural da primeira, agora que compreendo um pouco melhor o problema que propus.

Meu problema agora não é ter percebido que nossos valores são, como havia dito, “racionalizações sociais desajeitadas de resquícios evolutivos desadaptados à realidade em que vivemos”, na verdade, resquícios evolutivos não são uma expressão adequada, como vou argumentar, pois na verdade são o que sustentam tudo o que somos. Tampouco é, como no primeiro, uma questão prática em relação a como me conduzir. Acho que este problema já está se resolvendo. Meu problema é aceitar as implicações do que tentarei explicar.

Valores são coisas às quais atribuímos um valor, bom ou ruim, certo ou errado, válido ou inválido, agradável ou desagradável, sejam elas o que forem: prazer, sexo, conversar, comer, dormir, dinheiro, chocolate, comprar roupas, ficar famoso, ajudar as outras pessoas, matar, violentar, sofrer, morrer. Enfim, são coisas que representam algo bom ou ruim para nós numa dada circunstância. Não precisam ser declarados, nem mesmo conscientes, basta que influenciem julgamentos e decisões.

Valores são o que dão sentido a nossa conduta, são o que nos motivam. Sem valores não teríamos por que fazer nada em particular, seríamos apenas máquinas sem um uso próprio, sem um propósito. Valores são o que fazem com que procuremos comida, queiramos descansar, procuremos pessoas, compremos coisas, persigamos sonhos. São o que dirigem nossas decisões, o que faz o mundo rodar. Nem tudo o que fazemos, no entanto, está prontamente associado a valores; muito de nosso comportamento ocorre de forma impensada, inconsciente, automática ou involuntária, que não necessariamente se faz por meio valores.

No entanto, estes valores tem de vir de algum lugar, e ao meu ver, todos eles começam no nosso hardware, valores são, em última instância, usos sofisticados de um aparelho biológico feito para motivar comportamentos de sobrevivência. Nós nascemos já dotados de uma porção deles; já sentimos fome, sede, sono, dor, prazer, medo e muitos outros impulsos e necessidades. E o repertório vai se estendendo a cada dia, associamos a satisfação dessas necessidades com alguns objetos, passamos a ter respostas emocionais mais estruturadas, desenvolver sentimentos, aprendemos o que é permitido e não permitido, o que é desejado e repudiado pelos outros, o que é considerado bom e ruim pelas diversas pessoas ao nosso redor. Até que por estes processos de organização, incentivo, reforço, imitação e posteriormente reflexão, acabamos formando um grande e complexo sistema de valores, que leva ao complexo e diversificado comportamento que vemos nas pessoas por aí.

Valores têm características curiosas, por exemplo, têm uma natureza relativa, dependente do contexto e do valor das demais coisas. Afinal, o julgamento de valor é bastante comparativo, analógico. Também são dependentes de relevância, acontecimentos distantes tem um valor menor do que acontecimentos próximos. São bastante sensíveis a crenças (basta ver a bolsa de valores) e a emoções. Há muitas outras características peculiares, mas só quero mostrar que valores não são objetos platônicos, não são contruções racionais bem fundamentadas. Valores são contruções mentais, psicológicas, cognitivas, com o fim de favorecer tomadas de decisões eficientes. E é claro, sujeitas ao modo de operar da evolução natural; é um sistema com uma porção de falhas, mas bom o suficiente para a maioria dos problemas de sobrevivência na história evolutiva humana.

Assim, digo que os valores têm uma natureza pragmática. Alguns valores existem e persistem porque são fortemente ligados a nossa constituição biológica, como sono, fome e sede, e dificilmente sofrerão mudanças, porém outros ocorrem porque os aprendemos durante nossa vida, seja por tentativa e erro, seja por imitação, seja porque alguém nos ensinou, e de alguma forma mostraram alguma utilidade prática, ainda que ilusória (a utilidade de um valor é julgada em relação aos valores previamente adotados e ao seu sucesso em auxiliar na resolução de problemas). Valores que se mostram completamente ineficazes são rapidamente desvalorizados.

Como já deve estar evidente, estou sendo bem geral, falando de um aspecto muito amplo de nossas vidas. Valores morais, materiais, sentimentais, estéticos, sexuais, todos eles entram no pacote (ainda estou um pouco em dúvida se crenças são valores ordinários, ou se são de alguma forma diferentes ou mais fundamentais que os outros tipos). E isto tem implicações dramáticas.

Isto significa que o valor é, em última análise, determinado pelo seu valor prático na vida pessoal. Desta maneira, todo o complexo de valores morais sustentados em nossa sociedade, refletem de alguma forma, crenças sobre o seu valor prático (observe, por exemplo, que não pecar para alcançar o reino dos céus é algo de utilidade extremamente prática, se o indivíduo acreditar). Além disso, são coisas que não tem nenhuma existência independente; a existência de um valor é a existência de pessoas que os adotem. Cometer certa ação é errada, se houver pessoas segundo as quais aquela ação tenha um valor negativo. Caso contrário, a ação é completamente desprovida de qualquer valor e é meramente mais um fato do mundo. Isto relativiza brutalmente todos os valores humanos. Todas as coisas que consideramos certas, verdadeiras, bonitas, valiosas, o são desde que nós acreditemos que sejam, o que, por sua vez, depende de nosso julgamento de sua utilidade prática, ou de instintos biológicos que forcem seu valor. Em resumo, nossos valores são os que são porque nós temos esta determinada constituição biológica e porque, na história de nossa sociedade, estes valores tiveram utilidade prática na vida dos seus indivíduos.

Voltando a questão prática de como se conduzir, acho que esta idéia por si já determina mais ou menos uma conduta, o valor de nossas ações é o valor que as pessoas (nós incluídos) emprestam a elas, nem mais nem menos. Como a decisão da ação é tomada numa perspectiva individual, a consideração do valor que as demais pessoas atribuem, fica a critério do sujeito, de acordo com a utilidade prática que ele veja nisso (o que naturalmente depende de seus outros valores, suas metas, etc).

O problema desta vez vem porque, se o desenvolvimento do homem e da sociedade humana foi impulsionado por valores histórico-biológicos, a existência humana se torna basicamente este amontoado de valores. Nós vivemos para satisfazer valores, e criamos valores para viver. Se por algum motivo perdêssemos a capacidade de dar valor as coisas, tudo perderia seu significado, e a existência do mundo humano deixaria de existir. Assim, são os próprios valores que sustentam nossa existência, nosso significado, o sentido do desenvolvimento das sociedades. E por esta razão, são a coisa que garante nossa própria existência, são uma coisa muito importante, por mais que esta importância exista por ela mesma.

O que eu não entendo é, se a nossa existência depende da existência dos valores, que valores deveríamos escolher? O nosso progresso em satisfazê-los eficientemente (creio que isto seja o que ocorre com o uso intensivo de certas drogas, por exemplo), e em mudar nossa constituição biológica não provocará a destruição da nossa existência? Como fazer para que o nosso progresso em suprir nossas necessidades e desejos não destrua nossa própria existência?
Parece-me muito paradoxal e circular que o sentido de nossas vidas seja dado por valores e que por isto nós devamos preservá-los. Existe algum sentido em querermos preservar nossa existência, a não ser por ela mesma? É isso tudo que somos? Somos máquinas cujo sentido é lutar para continuarmos fazendo este sentido?
Isto me faz sentir meio desiludido com a existência, somos apenas isso? O próximo passo na história do universo na criação de entidades que vivem para si mesmas?
Acho que esta é a questão que tenho de amadurecer até minha próxima crise.