The problem with psychoanalysis

(Publiquei este post em português no meu blog)

Psychoanalysis has always intrigued me, since my first contact with it at high school until now that I feel able to contextualize it and compare it among the other mind sciences. There is no doubt that it is a controversial issue, both in terms of theory, methodology and practice; people seem to have a reaction somewhat skeptical and mocking to the idea that we can have incestuous desires (unconscious) towards our parents, that a good model of psychotherapy consists basically saying “tell me more about this” or that someone is in need to face repressed feelings.

I must say however that I think that psychoanalysis should be taken seriously. The main reason for this is because I believe in the reality of its subject matter, I think we have strong evidence that the unconscious, the meaning of dreams, repression, hypnosis, defense mechanisms, personality disorders, neurotic symptoms are real phenomena, and they are not so satisfactorily explained by other theories. Psychoanalysis seems to be the only theory (along with its variants) that attempts to broadly explain how our emotional and symbolic representations are made in the face of problems that life imposes us, how they shape our personality and influence our behavior, and their implications on the nature of our mental apparatus, our identity and culture and society in general.

However, one must have great caution when reading Freud and his followers, not because they were careless investigators (I think Freud had a fairly good level of scientific rigor), but because they lived at a time when our knowledge about the brain and human evolution were still very, very primary, so that there was no way to know clearly what kind of structures, mechanisms and functions (physiological and adaptive) were implemented the human brain, and all they could do was to guess. But even with all faith in the projects of neuroscience and evolutionary psychology, I still think that psychoanalysis maintains its explanatory niche, to describe, explain and analyze how do symbolic representations form, what is their dynamics and how they are related to the contents of consciousness. I also have serious doubts whether such phenomena could be studied in such depth in any way other than the analysis of individual discourse.

Unfortunately, psychoanalysis seems to have lagged a little in time. Freud and his followers were not as successful in creating a science as tthey were in creating a professional sect, as well as several other schools of psychology, and instead of focusing on checking, testing, grounding and confirming the originally proposed thesis, incorporating new findings from other sciences, dismissing unverifiable theories, psychoanalysts were happy to read the founders and follow them orthodoxically. So that instead of having progress, and becoming a robust body of theory, open and integrated with the rest of human knowledge, it degenerated, became more hermetic, obscure and obsolete.

I have the feeling that something went terribly wrong. Psychoanalysts do not seem to have inherited the investigative spirit of Freud, probing, feeling, experimenting and describing the form of the subjective structures; they seem to me much more in the position of mere observers, comfortable to seek confirmation of their beliefs; psychoanalysis seems to have become a mystical game like astrology or tarot and the psychoanalysts excited about their cultural status and distinctiveness are deliriously playing with metaphors and concepts of doubtful reality while forgetting that they are supposedly talking about a very concrete object: the human psychic apparatus, how does the psyche in every individual of our species in fact works.

I’m sad to see the contempt that the neuroscience community has towards psychoanalysis, which is increasingly taken as pseudosciencientific. I think there is much to be lost here, psychoanalysis loses by ignoring a paradigm that should ground it, and neurosciences loses by ignoring the fine symbolic structure that relates it to the representations of consciousness, feelings and language. The responsibility for this situation as I see it is from both, but primarily of the psychoanalysts who do not show interest to test their hypotheses, formulating them clearly and structuring their theories in a formal way.

One of the great difficulties of psychoanalysis in my opinion is its linguistic imprecision, and since it apparently is not derived from the inability of its authors, I interpret it to be some kind of defense mechanism that protects an insecure self-esteem with a pedantic obscurantism because it fears that clear and assertive claims may expose them to be refuted as any ordinary science. Of course, a true precise statement, on the other hand, is much useful and valuable.

Therefore, in defense of my thesis that psychoanalysis is valuable as a science of the psychic symbolic domain, I will propose some statements that I judge to be significant, reasonably falsifiable, and that as far as I know are in good agreement with the conventional psychoanalytic theory. In particular, I think many of them are susceptible to neuroimaging testing, behavioral experiments and simple practical tests, of course, accompanied by a good statistical analysis:

– The conscious mental life is regulated by a system that restricts or blocks access to certain representations of strong emotional or moral negative meaning.

– Representations “pushed out” of consciousness have a more difficult voluntary access (resistance) to consciousness. Note: There are similar documented cases in patients with anosognosia.

– Symbolic conflicts and blockages may have consequences on the voluntary motor mobility (hysteria).

– Episodic representations are often associated to emotional evaluations (liking, disliking, aversion, disgust, expectation, frustration, humiliation, exaltation, etc.) that influences their conscious accessibility.

– Representations associated with similar emotional evaluations often associate, the evocation of one spontaneously bringing or facilitating access to another. The free association method often reveals this kind of association.

– Unreachable representations (repressed) are often associated with others, transfering its emotional value to them when they usually don’t seem to have a specific reason for that value. The recall of the inaccessible representation should destroy this emotional displacement.

– Emotional intensity during recall is relevant to the relief of symptoms (catharsis).

– The content of dreams often express unconscious desires transfigured in metaphor and metonymy.

– Recent traumatic episodes often cause initial little transfigured dreams. This should increase as the individual re-signify their experience better integrating the memory of the episode with the rest of his/her life.

– The pattern of relationship with the mother, especially in childhood, shapes a model that strongly influences on later intimate relationships of individuals, which often repeat similar patterns (Oedipus complex). John Bowlby developed this idea in his theory of attachment. Perhaps neuroimaging studies would be interesting.

– Moral repression done by the parents is the basis for the individual’s own repression over the moral contents of consciousness (superego).

– There is a sexual energy (libido) that can be released in several ways, of which the sexual act is usually one of the most efficient, but could also be released by other pleasurable activities.

– There should be typical expected behaviors at each stage of psychosexual development according to the symbolic issues involved (Freud).

– Defense mechanisms (Anna Freud) and their triggers, and their ontogenetic determinants (repression, denial, rationalization, projection, idealization, fantasy, dissociation, etc. …).

– Prediction of neurotic symptoms based on personality characteristics of the patient.

– Prognosis of symptoms based on the type of issues addressed in therapy and personality type.

10 opiniões sobre “The problem with psychoanalysis”

  1. Something’s got to give, the trouble with psychoanalysis

    The trouble with psychoanalysis is hardly with the fact well known to everyone that some of their predictions fail (from those you pointed out, Oedipus is a classic case of failure, substituted by http://en.wikipedia.org/wiki/Parent-offspring_conflict in the 70’s), after all there are many predictions that fail in biology, or in physics. It is undisputable that there is deep truth in psychoanalytic theory about how the mind behaves, I enjoy you pointing it out, coming from a neuroscience background as you do.

    The trouble cannot also be just that the Old fellows are reveered as if they had contact with the oracles themselves (think of what we say of Darwin, Newton etc…)

    I suggest there are two problems with psychoanalysis: The first is one of temper, the second one of conviction.

    The first problem is that people who delve into psychoanalysis do not have a confirmation temper. They have the more usual “Ahá feeling” temper. That is, they consider their feeling of “Ahá, so that is the explanation!” as deeper evidence than carefully collected evidence.

    Also, they are not epistemically hungry people in general. They look forward to helping people (which is good), but they do so by reading less about how to actually do it. I don’t mean they don’t read, I mean they trust their gut feelings and intuitions. So you give them this great writer (Freud) they will have their 20 Ahá’s and that is enough for them.

    Here is what Nietszsche said about this sort of reasoning. In his Human, All too Human

    “120 – Proof by Pleasure
    The pleasant opinion is taken to be true: this is the proof by pleasure (or, as the church puts it, the proof by power) of which all religions are so proud, though they ought to be ashamed of it. If the belief did not make blessed it would not be believed: how little, then, will it be worth! “

    The second trouble is that there is a firm conviction that their methods work for their objectives. So if it is somewhat unlikely that psychoanalysts will take the trouble to find evidence for their theoretical grounding in thinking about the mind, it is absolutely sure that they do not seek for which methods are actually effecting in pursuing their objectives. In other words, they tend to think that once you have framed the problem, and you know what is your objective, no further work needs to be done.

    Suppose I told you that there will be a drought (seca) in 2010 in the whole state of São Paulo, and show you all the mechanisms of global warming, winds, soil etc… that will cause this drought, and I tell you that what we need to do now is to build a dam (represa) and this is our objective.
    If you were a psychoanalyst from my stereotype, you’d respond, “Okay, let’s get started”, and start trowing some pieces of wood and rock in the river.
    Now if you were an engineer you would say, “Okay, we must find out how to build a dam!” and you would read a LOT about how other people have built dams, and in particular why those who failed failed. It is fundamental not to make mistakes that are predictable in advance. This works both for the theory, and for the procedures, this is not generally noticed by psychoanalysts.

    Now let us drift away from the subject matter of psychoanalysis, put some sociologist’s clothing, but with and enginnering hat, and examine the situation from the outside. We have a field of knowledge that has valuable knowledge that does not exist elsewhere and structure, but does not have the filters to separate the wheat from the chaff (joio do trigo). We also have a huge system organized to help people who have some trouble, with infrastructure. Our objective is to understand this system and think about how to improve it’s chance of actually achieving it’s goals (helping people).

    Now, I say that this system has too deep a disease to be cured, we cannot cure temper, and without better temper (for our purposes), they will never be able to rise above the surface and start dealing only with the wheat (trigo), also, there is little hope that we could convince people who are not used to engineering or science that even though it may feel as if they are giving people the best help ever, it may be the case that it just feels wrong! Recent research for instance suggests that the more one thinks about his own problems, the more unhappy one becomes, for it fosters sadness, negatively biased thinking, impairs a person’s ability to solve problems, saps motivation, and interferes with concentration and initiative. [Frederick, S. Loewenstein, G. 1999. “Hedonic Adaptation” IN Kahneman Well Being: The Foundations of Hedonic Psychology]

    So what can we do? Sometimes when a crop (plantação) has too much weed (praga) in one part, but not in the other, it is necessary to burn the part that has the weed, and hope for the best next year. I suggest the same should be done with psychoanalysis. There is a lot, a whole lot of good knowledge there, but we have to sacrifice it. We need to destroy it as a whole, with all that is great about it, because only then there will be a new generation of people who are inclined to therapy that can correct the mistakes they would keep doing for centuries. A new therapy must insurge simply because the psychoanalysis paradigm is too old to flourish now, it is like an old kingdomhood in a place like Sweden, completely out of time, and impossible to transform into something very good.

    What I have been saying does not come from someone who had no contact with therapy, in fact, I have been through psychoanalysis for two years, my mother, for fifteen, my father, for thirteen, this is not just theoretical talk.

    What would happen if psychoanalysis were destroyed? First of all, the structure would remain, which is great, because people need help, and there is hope that helpers will show up for the task, with different background assumptions, and with seriousness towards doing what actually helps, instead of what seems like it does. Second, case you haven’t noticed, this process is happening already and is unavoidable, there are few places in the world where it lives (notably places where machismo is very high and intelectual prestige is deeply interconected with social prestige, places where the income distribution is unequal and where people are likely to make comparisons with one another all the time, and countries that have strong christian background, Argentina, Brazil, France) , and less and less people turn to it these days.
    I want to suggest that it is not only by luck that psychoanalysis got so much right, and has made us know so much about the world, and mind, as we do. I think that the reason the good part of it exists is that it was needed. If this hipothesis is true, I suggest that we should not worry about the fact that the good part will be lost. The good part is needed, and for this reason it will reapear, just like the knowledge that the earth is round reapeared after it had been long forgotten. There is no reason to suppose that the truths discovered by Freud, Lacan, Klein, Winnicott and others are 1-dicoverable properties, that is, things that can only be discovered once. If they are really necessary to understand how we work and help people have better lives (and I sure think they are, along with Putnam, and Russell) they will be discovered again.

    What will happen to the people? This is controversial, there are markets nowadays that offer less jobs than previously did. There are fewer people who work in farms, because we don’t need so many anymore, the same will happen to psychoanalysts, they will gradually lose their jobs. There will be a bottleneck, and only a few will survive (this is already happening) these few, let us hope, are those that actually are better at helping people. Some will change towards a more fact-based approach, and will mix their work with new areas of psychology, like the new science of Happiness which is to take over the world in the next 10 years as it already has taken the USA.

    What will be lost forever? I must say even though I am an optimist about the end of psychoanalysis, this does not mean I am a complete optimist, one thing that I think will be lost is of great importance. Science deals with generalizations, so we can know what makes people in general less unhappy, what makes them more happy and satisfied, how to help them deal with losses and difficulties etc… We can do this to people in general. We can also divide people into groups, and figure out what is good to one group, or other group, etc… So we can have totally general knowledge of how to help, and also knowledge that is general, but group-oriented. This is cheap, for one book only can sell 30 million copies and generate enormous ammounts of happiness (Stumbling on Happiness and The How of Happiness) and highly effective. But it cannot deal specifically with one particular person’s issue. The only important thing I think will be lost forever is this one to one approach. There will be some people who are still therapists in our current notion of the term, but they will always be trying to figure out to what groups does that person belong so that he can help her. That is, his help will be thousands of times more efficient than that of a psychoanalyst, as well as much cheaper. On the other hand, it may become less personal. For this problem, I have no solution to offer, but I must say it is much less of a problem than our current problem, and sometimes, if not all times, something’s gotta give.

  2. Leo,

    Grande parte dos fenômenos “inconscientes” são explicados com precisão matemática e elegância pela psicologia evolutiva. Eu diria que o centro de tudo que a psicologia evolutiva tenta explicar são os processos inconscientes que não nos damos conta e são geneticamente determinados. Me surpreende enormemente esse seu post, justamente por você ser uma pessoa extremamente voltada para a ciência. Talvez você só tenha olhado o lado da psicanálise e não tenha checado os avanços recentes da psicologia evolutiva. Poderia aqui citar uma lista infindável de aspectos explicados pela psicologia evolutiva e não explicados pela psicanálise, alem de não conseguir imaginar nada que a psicanálise explique e a psicologia evolutiva não, mas acho que esse ponto ficaria melhor esclarecido se você desse uma olhada em algum manual recente de psicologia evolutiva. Creio que você emitiu uma opinião extremamente desinformada sobre o assunto, ao ponto dela se tornar errada e irrelevante e maléfica (para evitar receber a acusação análoga: já li mais da metade da obra do Freud, a maior parte da obra do Jung e uma parte da do Lacan). Considero esse post errado racionalmente e moralmente.

    Vou tentar me reter a alguns dos pontos que você mencionou, como exemplos (mais uma vez insisto fortemente que você estude melhor o assunto):

    The conscious mental life is regulated by a system that restricts or blocks access to certain representations of strong emotional or moral negative meaning.
    A mente humana dedica poder computacional variado a varias tarefas conforme sua importância evolutiva e sua exigência computacional. O sistema que regula esse processo é a atenção (ou consciência). Quais processos vêem ou saem da consciência são determinados exclusivamente por esses fatos e eles são necessários e suficientes para explicar esse processo.

    Symbolic conflicts and blockages may have consequences on the voluntary motor mobility (hysteria).
    As crises de ansiedade em geral são causadas pela super ativação do sistema de fight or fly e natualmente que esse sistema envolve o controle motor. Ansiedade se observa, pois calibrar o sistema de perigo para ser mais sensível que o ideal tem menos conseqüências negativas do que calibrar ele para ser menos sensível.

    Episodic representations are often associated to emotional evaluations (liking, disliking, aversion, disgust, expectation, frustration, humiliation, exaltation, etc.) that influences their conscious accessibility.
    Mais uma vez quanto mais importância para a sobrevivência uma informação tem, maior sua carga emocional e maior sua tendência a influenciar o comportamento e a vir a consciência.

    Representations associated with similar emotional evaluations often associate, the evocation of one spontaneously bringing or facilitating access to another. The free association method often reveals this kind of association.
    Cada modulo cognitivo esta dedicado a uma tarefa e quando um modulo é ativado naturalmente que as informações relevantes para aquela modulo também o são.

    Unreachable representations (repressed) are often associated with others, transfering its emotional value to them when they usually don’t seem to have a specific reason for that value. The recall of the inaccessible representation should destroy this emotional displacement.
    Isso se chama condicionamento.

    Emotional intensity during recall is relevant to the relief of symptoms (catharsis).
    Mudança de valoração cognitiva dos aspectos do mundo (sejam eles sintomas ou não) envolve uma grande mudança das redes neurais o que natualmente necessita de grande quantidade de neurostrasmissores e consequentemente grande intensidade emocional.

    The content of dreams often express unconscious desires transfigured in metaphor and metonymy.
    O conteúdo dos sonhos reflete o que você estava pensando antes de dormir que em geral (como sempre é) são os seus desejos.

    Recent traumatic episodes often cause initial little transfigured dreams. This should increase as the individual re-signify their experience better integrating the memory of the episode with the rest of his/her life.
    A teoria de revaloração do mundo com o uso de emoções já mencionada também explica esse fato.

    The pattern of relationship with the mother, especially in childhood, shapes a model that strongly influences on later intimate relationships of individuals, which often repeat similar patterns (Oedipus complex). John Bowlby developed this idea in his theory of attachment. Perhaps neuroimaging studies would be interesting.
    O Diego já respondeu essa. Na minha opinião quem propor gastar tempo e dinheiro pesquisando isso com neuroimagem deve ser banido do meio acadêmico.

    Moral repression done by the parents is the basis for the individual’s own repression over the moral contents of consciousness (superego).
    Não, os padrões morais são determinados 50% pelos genes, 40% por coisas aleatórias que acontecem com o individuo e 10% pela criação dos pais.

    Enquanto a psicologia evolutiva possui compatibilidade e poder explicativo com os níveis bioquímicos do nosso corpo como correlação de estratégias reprodutivas com inputs ambientais específicos, concentração de cortisol, testosterona e estrógeno no sangue, proporções de quadril, abdômen, maxilar e simetria facial a psicanálise, quando se pronuncia a respeito, é incompatível com esses fatos. Por tudo isso, e pelo o que você vai aprender lendo um manual de psicologia evolutiva atual, eu considero o seu post racionalmente errado.
    A psicanálise não tem quase nenhuma verificação empírica na sua tentativa de explicação de nenhum desses fatos enquanto que as teorias evolutivas se encaixam aos fatos como uma luva, nos mais mínimos detalhes. A psicanálise hipostaseia um estado de funcionamento do cérebro como normal do éter sem nenhuma justificativa e a partir daí parte classificando o mundo como ou neurótico ou psicótico conforme eles divergem desse estado (que supostamente era o normal mas que ninguém atende). A psicologia evolutiva define disfunções cognitivas como uma disfunção de um determinado modulo que deixa de desempenhar a sua função e passa a prejudicar o individuo e a sociedade. A psicanálise é fundada num total desrespeito pela humanidade e pelo o que é um ser humano e as seções de analise são uma seção de tortura sobre o ser humano na medida em que tentam curar o nosso cérebro de patologias que não existem e são fatos perfeitamente naturais e genéticos. Se você força o nosso corpo a viver sobre condições extremamente não naturais como baixíssimas temperaturas, puxar os membros e contorcê-los, choques elétricos e térmicos você tem uma seção de tortura, se você faz o mesmo com nossos módulos cognitivos você tem uma seção de analise. Tentar veicular que a psicanálise deve ser encorajada é propor um retrocesso sem tamanho ao avanço da humanidade e o grau de influencia desse meme é diretamente proporcional ao sofrimento e o mal estar que ele gera para a humanidade.
    A psicanálise é incompatível com os dados empíricos, quando isso não ocorre ela simplesmente atesta o que qualquer outra teoria psicologia consegue atestar e adiciona a isso historias místicas mirabolantes que da mesma maneira que a religião grudam no cérebro das pessoas ao fazer isso. Alem disso ao ser posta em pratica a psicanálise prejudica as pessoas que não tem patologia alguma ao as convencer de que elas estão doentes e precisam se tratar as deixando infeliz e as fazendo gastar rios de dinheiro. As pessoas que realmente tem uma patologia têm um índice de cura perto de zero em oposição as drogas psiquiátricas que possuem grande sucesso quando usadas corretamente e são muito mais baratas. E por isso eu considero seu post moralmente errado.
    São tantos fatos que contrariam tudo o que você falou que acredito que a razão dos seus erros não pode ser racional. Se esse for o caso, infelizmente, nada do que eu falei vai ajudar muito a te convencer.
    Provavelmente você não conhecia tanto os dois campos a ponto de ter consciência do seu erro moral, mas ter decidido emitir uma opinião sobre algo que você ignora eu acredito que foi um erro consciente.
    Fico bravo que esse meme esteja sendo espalhado por ele ser prejudicial para o mundo. Desapontado por ver ele surgir em alguém que tem tantos elementos para concluir o contrario. Preucupado por ver um amigo com concepções que podem ter feito mal a ele no passado e poderão vir a fazer no futuro.

  3. Diego,

    I agree with the two problems you pointed out, I think most psychoanalysts believe that sparse similarity of discourse elements with theoretical structures and anedoctal reported cases confirm the reality of the theory and occasional demonstrations of emotion, changes of attitude and symptom relief validate their methods (and by extension the theory again). Without any need of controlled studies or more deep, systematical and directed research to test specific theoretical constructs and assumptions.

    I also agree that most of the important knowledge psychoanalysis has discovered would probably be recovered or rediscovered in other forms if psychoanalysis eventually become extinct. I just don’t see the point of waiting neglecting it until that happens.

    Maybe psychoanalysis as a psychological theory is indeed doomed beyond repair, not because it got lost in middle of falsehoods, but because of the mindset and attitude of its practioners. Well, I don’t mind, I still think the theory and the observed phenomena have much to their merit and that they deserve serious consideration, if not by psychoanalysts, by philosophers, neuroscientists and cognitive scientists, who may now read it under the light of much more developed knowledge about human neurobiology, evolution, development, cognition and, I hope, emotions.

    I don’t know if people should try to “rescue” psychoanalysis culture and community from obsolescence, I just think we should try to take their work into account, even if its hard to be done. I admit it to be a very personal point of view though.

    João,

    de fato não estou muito atualizado em relação à psicologia evolutiva. E eu não tenho nenhuma objeção geral a ela ou as suas explicações, acho bastante razoável que ela tenha um poder explicativo muito grande, mas na minha concepção elas tratam de explicar domínios diferentes e complementares sobre a mente humana.

    Enquanto a psicologia evolutiva explique muito bem propensões, funções e características gerais dos seres humanos, até onde sei ela não é capaz de explicar características individuais, justamente porque ela se faz na escala de espécie e de milhares (ou milhões) de anos. Estou dizendo que enquanto eu possa prever muito do seu comportamento com ela, não vou ser capaz de prever as pequenas diferenças de comportamento suas em relação as outras pessoas, especialmente digamos, de um irmão gêmeo. Não digo que a psicanálise tenha efetivamente um poder preditivo grande, mas seu objeto de estudo é a história individual, e em particular, como a vivência subjetiva desta história determinaria diferentes modalidades de se comportar no mundo (personalidade). Também dentro do domínio da psicanálise estaria explicar exatamente de que maneira nosso aparelho psíquico/cognitivo/neural elabora a construção simbólica da realidade a nossa volta, isto é, de que maneira uma pessoa que acaba de nascer passa a atribuir significados às coisas externas a ela e especialmente em relação a ela, principalmente os emocionais, motivacionais e morais, como ela desenvolverá esta estrutura de significados ao longo do seu desenvolvimento, como isto ajudará a construir e interagirá com o conceito que ela tem de si própria e de que modo isto determinaria que estratégias usará para lidar e se proteger da realidade. Você deve admitir que você tem uma visão particular de mundo, representações das coisas em relação a você, e um conceito de si mesmo, e que estas representações tem uma dinâmica que não é puramente racional, e até que frequentemente se manifestam nos seus sonhos.
    Não acredito que isto possa ser explicado nem pela psicologia evolucionista nem mesmo pela neurociência (no nível de descrição em que interessa, é claro que estas representações estão no cérebro, mas falar em termos de neurônios não é o vocabulário mais adequado). Ainda que a primeira responda porque as pessoas tem propensões a fazer as coisas que fazem, falta uma teoria que detalhe como isto se dá em cada uma delas, e não somente num nível físico como as neurociências fazem (novamente, não que isto não possa ser feito, apenas não vai ser tão útil). E se não houvesse mais nenhuma função, a psicanálise no mínimo, é uma teoria que tenta explicar o comportamento humano a partir de um vocabulário com correspondência ao vocabulário que usamos para compreender nossa própria visão de mundo da perspectiva de primeira pessoa, isto é, o mesmo vocabulário que usamos para reconhecer e pensar em nossos próprios sentimentos e demais eventos da vida mental subjetiva, acho que isto tem uma utilidade psicológica grande.

    Novamente, vou reiterar que não sei até que ponto a teoria psicanalítica atual dá conta de explicar estes fenômenos de maneira adequada (provavelmente ninguém sabe). Mas acho que este projeto, este objeto, estes fenômenos são reais, tem significado e devem ser estudados, senão pela psicanálise, por uma nova ciência da mente. Quero defender este projeto. Se os psicanalistas fizeram tudo errado, que se faça tudo de novo, mas que seja feito.

    Uma crítica que eu acho admissível a esta proposta, mas que não concordo, seria a de que estas representações e significados, aos quais temos algum acesso, são epifenômenos mentais, são meramente interpretações linguísticas de processos cognitivos não-conscientes sem causalidade top-down sobre funções cognitivas mais básicas. Eu acho que isto é falso. Assim como resolvemos agir de determinada maneira por um raciocínio lógico (simbólico), conflitos e raciocínios simbólicos menos “racionais” devem ter também uma participação causal bem relevante sobre nossos processos cognitivos “inferiores”. De qualquer maneira, a relevância ou não destes processos é um fato empírico a ser testado também.

    Quanto à clínica, acho que de fato, como o Diego falou, os psicanalistas tem confiança demais nos seus métodos, e pessoalmente, acho que de fato, o método da psicanálise parece pouco bem limitado mesmo no objetivo de ajudar o indivíduo a encontrar (e resolver) suas questões simbólicas. Acho que se eventualmente explorarmos mais cientificamente estes fenômenos, deveríamos também formular metodologias clínicas mais poderosas.

    Comentando as proposições de conteúdo empírico:

    The conscious mental life is regulated by a system that restricts or blocks access to certain representations of strong emotional or moral negative meaning.
    O que quis expressar com isto foi uma noção mais próxima talvez de monitoring consciousness do que de atenção. É a idéia de que estamos o tempo todo supervisionando e moderando o que está acontecendo, ao invés de um mero fluxo espontâneo de consciência. Acho que esta noção é fácil de perceber em alguns estados alterados de consciência em que você perde esta noção por um tempo, e só percebe depois que estava viajando.

    Symbolic conflicts and blockages may have consequences on the voluntary motor mobility (hysteria).
    Aparentemente sintomas histéricos não são tão comuns hoje quanto na época de Freud, mas pelo que entendo eles não requerem um nível de ansiedade tão alto a ponto de podermos justificá-los como uma resposta de luta ou fuga, embora possivelmente tenham alguma relaçaõ. Creio que os pacientes histéricos pudessem ficar com membros imobilizados por semanas.

    Representations associated with similar emotional evaluations often associate, the evocation of one spontaneously bringing or facilitating access to another. The free association method often reveals this kind of association.
    Certo, esta não é uma proposição psicanalítica na verdade, seria mais neurocientífica (exceto pela parte da livre-associação).

    Unreachable representations (repressed) are often associated with others, transfering its emotional value to them when they usually don’t seem to have a specific reason for that value. The recall of the inaccessible representation should destroy this emotional displacement.
    Condicionamento não se desfaz quando você se lembra de quando ele ocorreu, estou falando de memórias traumáticas reprimidas.

    Emotional intensity during recall is relevant to the relief of symptoms (catharsis).
    Ok, parece uma explicação razoável. Este fato tem um papel importante na clínica.

    The content of dreams often express unconscious desires transfigured in metaphor and metonymy.
    Por que a necessidade de metáforas e metonímias?

    Recent traumatic episodes often cause initial little transfigured dreams. This should increase as the individual re-signify their experience better integrating the memory of the episode with the rest of his/her life.
    Ok.

    The pattern of relationship with the mother, especially in childhood, shapes a model that strongly influences on later intimate relationships of individuals, which often repeat similar patterns (Oedipus complex). John Bowlby developed this idea in his theory of attachment. Perhaps neuroimaging studies would be interesting.
    Até concordo com sua posição de que este já é um assunto bem explorado, mas tem um papel muito central na teoria psicanalítica, o complexo de édipo seria responsável pelo primeiro modelo de interação com um outro indivíduo, pela percepção de gênero, pela opção sexual, pelo reconhecimento da existência de regras morais, entre várias outras funções. Pesquisar isto seria mais interessante se se estivesse de fato interessado refutar ou testar a teoria psicanalítica.

    Moral repression done by the parents is the basis for the individual’s own repression over the moral contents of consciousness (superego).
    Os pais teriam o papel apenas de dar a primeira forma a este sistema, durante a vida o indivíduo mudaria os valores, mas a estrutura de repressão moral (muito repressiva ou muito tolerante) provavelmente se manteria a não ser que o indivíduo se confrontasse com novas situações que forçassem muito este aspecto da sua personalidade (novas figuras paternas).

    Se me permite dizer, achei que sua interpretação das minhas proposições foi bastante rasa para alguém que já leu metade da obra de Freud (o que é coisa pra caramba, eu não devo ter lido nem 3%) e sabe o papel que estes conceitos tiveram na formação da teoria.

  4. I don’t know If I said it already but …This blog rocks! I gotta say, that I read a lot of blogs on a daily basis and for the most part, people lack substance but, I just wanted to make a quick comment to say I’m glad I found your blog. Thanks,🙂

    A definite great read..Jim Bean

  5. Bom, primeiramente, queria pedir desculpas àqueles a quem eu prometi a leitura desse post pela demora.
    Tardei, mas ñ falhei.

    Enfim, algumas considerações:

    A psicanálise, a meu ver, tem todos os problemas que foram aqui generosamente enumerados (tirando a comparação da clínica com uma tortura! hahahah, apesar da metáfora sem bem persuasiva…) . E isso é um pé no saco. No entanto, eu, corporativamente, tenho q concordar com o Leo. Acho que ela tem um grd valor enqnto corpo de conhecimento, e que abandoná-la para esperar que essas coisas de valor sejam redescobertas seria perda de tempo. Essas coisas de valor, como o Leo já bem disse, são essas infindáveis observações sobre o comportamento humano. Observações extremamente finas, q eu nunca vi em nenhum outro lugar. É material pra cacete sobre como nós pensamos, organizamos nosso mundo, nos vemos, sentimos e sofremos. Enfim, tudo isso diz mto sobre os seres humanos, e está na literatura psicanalítica.
    (Está na literatura psicanalítica mas não está no Freud, já li bastante Freud e ele qse só fala da clínica indiretamente, o que lhe dá um tom dogmático/arbitrário – tom, aliás, que infelizmente predomina na literatura psicanalítica).
    Bom, meu ponto aqui é: tem mta coisa interessantíssima para a psicologia lá, e só lá; e td que precisa ser feito é ir lá e pegar, coisa trabalhosa, mas simples.

    Agora sobre a clínica: acho q a psicanálise se sai bem melhor como clínica do q como ciência, o q ñ quer dizer q ela se saia bem. É um processo lento e custoso, sem dúvida (e devido aos vários problemas teóricos e institucionais mtas vezes mal aplicado), mas ele tem algumas qualidades que, a meu ver merecem muito crédito:

    – trata-se de um espaço privilegiado para alguém simplesmente pensar sobre sua própria vida. Pensar no sentido forte, problematizando-a. O espaço serve pra isso. E isso é algo que nossa cultura tende a pouco valorizar, tendendo mais a formas de anestesiamento e silenciamento da angústia proveniente de nossos conflitos do que à compreensão desses conflitos.

    – complementando o item anterior, é um espaço que privilegia um tipo de contato de si consigo msm mto específico, um convite à auto-observação paciente, o que nos leva a entrar em contato com aspectos de nossa personalidade que na vida cotidiana passam batido, mas que determinam nossas ações. Mais especificamente, em geral temos nossos desejos, incômodos etc, tomamos isso como dados, e nossa atividade mental se resume a, a partir daí, instrumentalizar a realidade para alcançar nossos objetivos. Na análise, a idéia é entendermos melhor de onde vêm e o q são esses desejos, incômodos etc.

    – esses dois pontos ñ fariam sentido se eles ñ tivessem alguma eficácia clínica. E é esse o terceiro pto: tudo isso ñ é por pura curiosidade, mas pq ao entendermos esses processos, nós automaticamente vamos ressignificando-os, e assim, de alguma forma, vamos alterando nossa auto-imagem, nossa forma de relação com os outros e tb nossos sentimentos – alterando para melhor: as pessoas se sentem melhor.

    – o que até aqui eu venho chamando de “espaço”, não se resume, evidentemente, a uma porção de metros cúbicos de ar, envoltos numa estrutura de concreto, com um divã e um poltrona dentro. Para além disso, é indispensável para este “espaço” uma outra pessoa. Mas ñ pode ser qq pessoa, tem q ser uma pessoa treinada para ouvir os problemas das outras pessoas, e ñ os seus próprios. A figura do analista é fundamental, pois ele vai servir de muleta para a pobre cabecinha do cara q está sofrendo e ñ sabe pq. Isso pq, ao contrário do cara q está sofrendo, o qual está imerso no próprio mundo simbólico e por isso ñ consegue ver a realidade de outro jeito, o analista está fora, e consegue oferecer uma outra perspectiva, tendencialmente mais acertada (se ele for bem treinado). O analista vê o paciente agindo segundo alguns padrões que ele próprio desconhece, e por isso ele pode dizer isso ao paciente, e isso vai ajudar o paciente a ressignificar suas concepções e seus sentimentos. (além disso, o analista sabe o valor dos dois primeiros pts, e por isso ele vai convidar o paciente a agir conforme eles). Segue-se daí que a psicanálise é importante pois ela forma analistas, coisa indispensável para o processo.

    Tudo isso, me parece, é bem bacana, e só a psicanálise, hoje e apesar de seus problemas, pode propiciar para as pessoas.

    E por mais q o processo em mtos momentos se assemelhe a uma tortura, como o João bem disse, o saldo, no final, é positivo, pq vc só se tortura lá, no divã, pq este é o seu jeito de funcionar (afinal, vc pode fazer o q vc bem entender, então se vc escolhe se torturar, é pq vc de fato ñ escolhe porcaria nenhuma, vc só se tortura e pt), mas na análise, pelo menos, essa auto-tortura leva a algum lugar, transforma-se, ao contrário do que acontece na vida cotidiana, em q a auto-tortura apenas se repete indefinidamente.

    Ñ estou defendendo a psicanálise como um todo, mas sim que ñ se jogue fora o bebê junto com a água suja. Ou seja, concordo com o Leo.

  6. Oi Davi! Achei suas considerações muito interessantes.

    Primeiramente queria saber a que literatura psicanalítica vc se referiu, com observações finas sobre o comportamento humano… eu pessoalmente gosto bastante do Freud, mas gostaria de conhecer quem mais for de interesse.

    Concordo com os pontos que salientou, principalmente a questão de compreendermos nossas motivações e incômodos profundos (ou seremos eternos escravos deles).

    Você mencionou como a re-significação tem uma eficácia clínica. Tenho certeza de que ela pode ter, e de que principalmente nos casos da clínica ela possivelmente tem, mas tenho dúvidas a respeito de isto ser bom em geral, ou pelo menos na maior parte das vezes. Acho que esta é uma questão central da clínica, até que ponto é bom mexer na caixa de Pandora, e até ponto isto não pode ter efeitos prejudiciais e como evitá-los ou lidar melhor com eles. Acho que a re-significação não é sempre benéfica, assim como uma discussão pode ser esclaredora, confundidora ou mesmo enganadora. Acho que isto mereceria muita investigação.

    E acrescentando às críticas já feitas, acho que o método da psicanálise é muito empobrecido e lento. Acho que a análise do discurso do paciente e de permitir que ele fale livremente é uma ferramenta rica, mas não deveria ser a única. Acho que falta abordagens mais poderosas e direcionadas de sondagem e investigação, e de lidar mais construtivamente com os problemas, e às vezes também mais pragmaticamente (descobrir a origem de um medo é importante, mas muitas vezes saber lidar com ele é mais importante).

  7. Puts Leo, vou ficar te devendo uma resposta pra sua primeira pergunta. Ainda conheço pouco o para-além-do-Freud da literatura psicanalítica (estou começando a me dedicar a isso agora), então só entrei em contato com pedaços de coisas (xerox), nada q eu consiga te citar com segurança. Vou começar a ler em breve um livro q chama Teoria Psicanalítica da Neuroses, do Otto Fenichel, q pelo q eu vi vai um pouco mais nesse sentido, é tipo um grd manual, que tenta sistematizar a psicopatologia psicanalítica… enfim é ainda é uma aposta, mas depois posso te confirmar se vai ou ñ nesse sentido. Mto mais do q com os livros, onde eu consegui encontrar esse tipo de discussão com bastante qualidade foi na minha supervisão, ñ com qq supervisor, mas com uma em especial, a q me deu supervisão esse ano. Ela chama Vera e ela é fantástica: ela é conhecida como bruxa, pq ela descobre a história do sujeito apenas olhando para o TAT (Teste de Apercepção Temática) dele. É surpreendente, já vi acontecendo várias vezes. Enfim, ela consegue fazer isso pq ela consegue sacar tudo do jeito de funcionar da pessoa apenas com um fragmento do comportamento dela, ela saca qual a lógica desse funcionamento e assim consegue deduzir a história q produziu essa lógica. E do msm jeito q ela faz isso analisando o TAT, ela faz isso analisando as sessões, os casos q a gnt leva, e é isso q a gnt vai trabalhando com o paciente (se te interessar, posso te apresentar para ela, além dela ser mto boa, ela costuma ñ ter problemas (o q é MTO raro) com outras pessoas assistirem a supervisão dela, então se pá ela deixa vc assistir). Para além disso, podemos ir trocando figurinhas daqui pra frente…

    Qnto a essa coisa da re-significação, eu penso sobre isso da seguinte forma (a partir das discussões da Vera): o problema do paciente é q ele sofre de uma desadaptação, ele vive em uma memória alucinada, i.e., ao invés de ver o q está se passando e se relacionar com isso, os acontecimentos do mundo evocam nele experiências passadas q se reatualizam nesse momento, o que o faz perder o contato com a realidade, e viver essa memória alucinada. Além disso, essa memória alucinada ñ é apenas a reatualização de uma determinada situação, mas tb de um determinado jeito de viver essa situação, um jeito geralmente meio “burro” de viver a situação, jeito esse q causa mto sofrimento. Por exemplo: a queixa da pessoa é q ela ñ consegue se expressar, q ela é super-tímida, q ñ tem nenhuma confiança, pra, sei lá, bancar uma entrevista de emprego, ou conversar com uma mulher. A ideia é q essa pessoa ñ está conseguindo perceber a situação de fato como ela é, porque ela com certeza tem conteúdo para compartilhar em uma entrevista ou com uma mulher, e ela sabe falar, e ela sabe q nem os entrevistadores nem uma mulher qualquer vão ser hostis a ela gratuitamente, mas ela esquece isso, e vive uma situação na qual É extremamente perigoso se expressar. Isso pode se dever, assim, a alguma vivência* infantil na qual o fato dela se expressar gerou efeitos mto maléficos para ela, por exemplo uma severa reprovação da parte dos pais. O trabalho da análise consistirá assim em, primeiramente, ir descobrindo que lógicas de funcionamento são essas que vão impedindo a pessoa de fazer o q deseja por estar se relacionando com fantasmas. Repare q esse jeito de funcionar do cara um dia foi saudável, frente a pais reprovadores é saudável q vc ñ se expresse mto, pra ñ ficar levando bordoada, o problema é q essa adaptação se cristaliza, se perpetua msm q vc mude de ambiente, e daí o trabalho será, a partir da identificação dessas lógicas/histórias, ir apresentando-as ao paciente para q ele possa ir percebendo q a realidade deixou de ser desse jeito, e q ele pode, portanto, tentar ser de outra maneira. Acontece q essa adaptações arcaicas ficam MTO enraizadas na cabeça das pessoas, e é mto difícil ir diluindo-as, para q outras formas de ser possam surgir, por isso o trabalho é tão demorado (o trabalho é o de ir apresentando para o paciente essa lógica, exercitando a identificação desta e as possibilidades alternativas).
    Deu pra entender? Assim, a meu ver, ñ há como a ressignificação ser prejudicial, o método ñ é mto prático, mas ñ vejo como os resultados (qnd o método é bem aplicado) possam ser prejudiciais. Pq vc disse q a re-significação poderia nem sempre ser bem vinda?

    E, sem dúvida, concordo com o seu último comentário.

    * vivência aqui ñ pode ser compreendida como algo de objetivo q aconteceu à pessoa, mas como algo de objetivo q foi significado pela pessoa de certa forma a produzir uma fantasia infantil, frente a qual a pessoa se adapta; i.e., vc pode encontrar em crianças com mães extremamente atenciosas e carinhosas fantasias/experiências de mães extremamente terroríficas. Assim, falar de traumas infantis ñ significa falar q a forma como a pessoa vive é fruto única e exclusivamente de sua história, mas sim da forma como ela entende sua história. Daí pq a análise ñ se refere à história de fato, mas à memória.

  8. Oi Davi, achei muito interessantes seus exemplos e comentários.

    Só para esclarecer, quis dizer que re-significação é só re-significação, não necessariamente para melhor. Se a re-significação for de experiências infantis, o indivíduo supostamente se encontra mais habilitado a lidar de maneira adequada do que quando criança, mas poderia não ser o caso em outras situações, digamos um paciente paranóico ou depressivo, poderia re-significar de maneiras bastante deletérias. Por isso acho que é preciso que o analista seja capaz de direcionar este processo de maneira eficaz, ou a coisa pode virar uma bola de neve. E isto requer que ele intervenha ativamente no processo.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s