Anarco Individualismo e Transhumanismo Social

A vida é apenas uma e a racionalidade é um bom approach a ela, esse é o princípio regente, ou fundamento, da visão política de mundo que pretendo aqui descrever.

É adotada também a trivialidade de que a palavra “felicidade” foi adotada pela comunidade para denotar algo que é bom, e vem sendo usada dessa forma desde então.

Uma das grandes características marcantes das posições políticas dos indivíduos é seu caráter expansionista, a grande maioria das pessoas em atividade política se interessa por expandir o número de pessoas que tem a mesma opinião que elas, uma posição política que não pelo menos flerte com esse viés bolchevique estará fadada ao fracasso, por razões de seleção memética devidamente discutidas por Jared Diamond em Armas Germes e Aço. Começo minha exposição então declarando abertamente a derrota da posição política que pratico no longo prazo.

A racionalidade nos permite ver que o outro é diferente de nós, ela nos desvia do ideal cristão da única maneira correta de se viver, e portanto ela não nos permite cegar à possibilidade de que aquilo que nos é bom talvez não o seja ao outro; a razão e a fibra política caminham em direções opostas, o que explica a lentidão do desenvolvimento político do mundo, em contraposição, por exemplo, ao desenvolvimento artístico, ou científico. O anarco-individualista não dá importância ao processo de credibilidade por pregação, acreditando no que acredita independentemente de quantas pessoas partilham de suas crenças. Segue que a não aceitação por outra pessoa da premissa inicial, do fundamento, não oferece perigo algum ao proponente dessa posição, que ao mesmo tempo recusa-se a aceitar que há uma melhor visão política para todos e que suas idéias devem ser inculcadas no maior número possível de mentes.

Uma vez que nos afastamos dos Gulags mentais promovidos pela histeria política de massas, podemos nos afixar numa racionalidade individual, e trazer o anarco individualismo e o transhumanismo social a tona a partir de nossas premissas.

O anarquismo tradicional está ligado a uma recusa do Estado e uma percepção de que a comunidade viveria melhor num âmbito sem poder estatal. Essa visão se baseia numa miopia psicológica (não perceber que a natureza humana é contrária aos anseios humanos) aliada a uma paranóia de conspiração (o Estado nos vigia, nos pune, quer o pior de mim, e violenta minha liberdade). Nós, anarco individualistas, desejamos paz e ausência de medo, e conhecemos em parte a natureza humana, que possibilitou não só a construção de grandes maravilhas do mundo e a era da internet, como também a tortura de crianças e o estupro de inocentes, e por isso nós podemos nos afastar dessa concepção anarco-tradicional de que  todo homem seja um herói cuja história não pode ser escrita devido ao punho esmagador do Grande Irmão. O anarco-individualismo apenas prega uma separação estrita entre indivíduo e estado, o argumento é simples: 1 Nenhum indivíduo tem uma participação política relevante caso não seja famoso, 2 só há uma vida que não deve ser utilizada em coisas irrelevantes, logo, 3 não se deve participar politicamente. Cada minuto dedicado a política pela política, e não pelo prazer de seus conteúdos, ou por razões que lho possam interessar, é uma antecipação da morte em um minuto.

É um prazer ao ser humano fazer o bem a si mesmo e aqueles que lho interessam, e nossa capacidade de simbolização nos permite também fazer o bem a coisas, instituições, idéias, projetos etc… e sentir imenso prazer com isso. Em realidade sabe-se que as mais felizes e longevas dentre as almas do mundo são aquelas que dedicam-se a algo que lhes parece maior do que elas. Segue que devemos procurar campos de interesse aos quais possamos nos dedicar para que aproveitemos bem a vida. Depois da virada de jogo da racionalidade e do iluminismo, tornou-se impossível a pessoas inteligentes e bem informadas na infância manter uma sólida aspiração religiosa ou transcendente, e Richard Rorty pontua que esse processo foi essencialmente um abandono da idéia de imortalidade pessoal em direção a um esforço para que as pessoas do futuro vivam uma vida melhor, e considera isso um progresso. Como pessoas do futuro em relação ao passado, temos boas razões para agradecer a essas mudanças, e mesmo que não tivéssemos, estamos circunscritos num espaço de tempo no qual é impossível atingir o grau de transcendentalismo e misticalismo que outrora povoou o imaginário humano, e portanto temos de nos ater aquilo que está no imaginário coletivo (porque isso nos dá segurança) e está acessível a nós como um projeto de vida que é mais importante do que nós. Devemos portanto encontrar algo maior do que nós e fazer. Note que não é uma premissa que devemos fazer algo maior do que nós para os outros, é uma consequência da busca por um maior aproveitamento da vida no nível individual que nos traz inexoravelmente a uma ética pública (mas não política) que pretende promover a melhoria da vida alheia. Considerando que instituições, idéias, comunidades, e memeplexos em geral são mais estáveis emocionalmente do que pessoas particulares, dedicar-se prioritariamente a entes estáveis é uma boa maneira de garantir o próprio aproveitamento da vida, em oposição a dedicar-se primordialmente a conhecidos. O outro, ou a instituição beneficiária raramente estão no passado (historiadores seriam um exemplo) e segue portanto que a maioria dos afazeres de um anarco-individualista serão dedicados ao futuro, ergo, progressismo.

Dependendo do grau de racionalidade e do tipo de empatia que uma pessoa tem, ela irá se dedicar a um tipo diferente de atividade. A maioria das pessoas precisa de constante feedback sobre seus atos para sentir-se bem, e particulamente um feedback que seja visto na hora, em pessoa. Um psicólogo clínico por exemplo dedica-se ao momento atual de uma pessoa e também a seus momentos futuros, e recebe informação atualizada de como vão seus esforços duas vezes por semana, um webdesigner por outro lado dificilmente pode ver o fruto de seus esforços diretamente (no sentido de ver os usuários se divertindo com tão bela página) e isso requer um maior grau de racionalidade ou menor grau de empatia. Racionalidade e empatia, evidente, não são antônimos, mas é o caso no mundo atual que a copiabilidade de algo está intimamente ligada a não ver todas as cópias, e a empatia depende daquilo que vemos em curta distância, ou seja os atos que privilegiam mais pessoas e são mais racionais são aqueles que possibilitam uma ativação empática menor.Esse é um problema do mundo, e não das minhas definições de racionalidade e empatia. Como fazer atos universais é uma consequência, e não uma premissa, da racionalidade e da vida curta, uma pessoa mais empática deve sacrificar o maior bem geral em prol de seu bem individual, pois sua felicidade depende de fazer bem a menos pessoas. Uma pessoa bastante racional e pouco empática por outro lado, mesmo que tenha a escolha entre um bem maior não visível a curto prazo, e um bem menor porém visível há de compreender que sua raridade faz com que ainda mais valiosos sejam seus esforços em prol de um mundo melhor. Os grandes filósofos, literatos, cientistas e arquitetos são pessoas justamente desse tipo. Sua capacidade de abstração permite compreenderem que é possível que aquilo que há de melhor para se fazer na vida pública é produzir algo que será apreciado ao longo de gerações e gerações no futuro, e apenas pela capacidade de prever o futuro mentalmente, sentir o prazer empático correspondente. O principal perigo da política é justamente a roupagem racional de “estar fazendo bem aos seus conterrâneos e futuros cidadãos”, vende-se o lobo na pele de cordeiro, pois evidente que uma pessoa não faz nenhuma diferença individual na política, entretanto os esforços de apenas um são muito mais prolíficos em outros campos da cultura.

Há pessoas que uma parte do tempo (mas não todo ele), por qualquer razão, apreciam imensamente a quantidade real de influência que provavelmente farão no mundo, pessoas por exemplo que se sentem melhor fazendo o bem a 3 chineses do que a 2 indianos, e melhor fazendo um pequeno bem a uma cidade de um milhão de habitantes do que resolvendo os problemas de uma única pessoa. A essas pessoas cabe o estudo dos melhores métodos de se promover o maior bem para o maior número de pessoas.

No passado esse modo de pensamento gerou o humanismo, o enaltecimento do homem enquanto homem, e a intenção de permitir-lhe exercer ao máximo potencial todas as suas faculdades. Com o progresso tecnológico surgiu entretanto uma divisão entre humanistas naturalistas, que cometem o tradicionalérrimo erro de assumir que o que é natural é bom (e consequentemente precisam definir o que é natural para separar o joio do trigo e passam o resto da vida separando o hipotético joio do hipotético trigo e percebendo como suas definições anteriores falharam), e os transhumanistas, que extendem seus princípios humanistas para uma promoção da vida humana em todos os âmbitos inclusive aqueles que dizem respeito a desafiar as tiranias da seleção natural e da hereditariedade. Esses acreditam que é tão bom treinar um grande pintor quanto é bom dar-lhe as tintas para que possa pintar. Os primeiros acham que treinar um pintor é bom, mas não se deve dar a ele pincel ou tintas. Não é exatamente assim, mas isso captura o espírito anti-tecnológico dos humanistas naturalistas.

A história humana é um sem fim de aprender a ordenar a natureza de acordo com nossos fins, e nisso só difere por exemplo da história paquiderme no que tange ao fato de que nossa ambidestria e capacidade linguística nos permitiram influir muito mais intensamente que sua nosodestria e capacidade chafarística.

O anarco tranhumanismo é assim sumarizado por seu criador Pablo Stafforini:

Anarchism: The political theory that aims to create a society free of all forms of authority, particularly those involving domination and exploitation.

Transhumanism: The cultural movement that affirms the desirability of fundamentally altering the human condition through applied science and technology.

Anarcho-Transhumanism stands for:

  • Political Freedom: Against the tyranny of government.

  • Economic Freedom: Against the tyranny of capitalism.

  • Biological Freedom: Against the tyranny of genes.

Anarcho-Transhumanism is not:

Libertarian: It does not believe in free-market fantasies.

Extropian: It does not believe in optimistic futurism.

A diferença entre a posição que estou defendendo e a de Pablo é apenas na forma de frasear, ele se diz contra a tirania do Governo, enquanto eu diria ser contra o que há de tirânico no governo, o que deixa claro a eliminação da interpretação de que o governo é uma tirania, em oposição a interpretação mais cautelosa de que existem tiranias no governo, tal qual existem no capitalismo e nos genes.

Existem poucas maneiras de se conseguir mais inimigos no mundo do que sendo um anarco individualista transhumanista social, e acho que qualquer pessoa que esteja levando a sério sair do armário como um pense nisso antes de fazê-lo.

Todas as vertentes políticas dominantes, da extrema direita a extrema esquerda o criticarão por não ser politicamente ativo, afinal, tal qual os fiéis de qualquer religião, eles consideram que o que fazem é mais certo de acordo com quantas pessoas fazem o mesmo, e você estará lhes oferecendo tacitamente a perspectiva de que existe um outro caminho possível, o que, por possuirem uma natureza política, é o que mais repudiam.

Todas as pessoas, inclusive anarquistas ativistas criticarão sua neutralidade política, ou apatia, e sua incapacidade de sensibilizar-se com os problemas do mundo (mais miopia). A visão de longo alcance no espaço já é malvista em comunidades, a visão de longo alcance no tempo é um atentado sem precedentes.

A enorme maioria das pessoas vive do início ao fim da vida achando que o que é natural é bom e que as coisas deveriam ser como são. Não espere críticas apenas da comunidade religiosa, ou de pessoas espiritualistas, as pedras virão desde a elite financeira que não consegue aceitar alguém que não tem fetiche pelo bem mais disputado (o dinheiro), até Nietzscheanos vorazes que lhe chamarão de ovelha submissa por seus ideais baseados em outros e sua dedicação a superar a própria vontade de poder. Não apenas estes, mas também teóricos sociais da esquerda tradicional criticarão sua aceitação do determinismo biológico (um pressuposto para desejar modificá-lo) como nazista; estruturalistas dirão que sua visão progressista e de uma verdade única lhes inspira náusea, apesar de que a recusa destes de uma verdade (mesmo aproximada) sobre os fatos não lhes impeça de pregar cegamente uma maneira única do bem viver a ser conduzido pelo torpe estado de seus sonhos, que pressupõe uma visão do homem como uma tábula rasa e ignora completamente a natureza humana.

Trilha sonora para os próximos parágrafos:

Inelutavelmente você será criticado como pertencendo a grupos que lhe repudiam. É natural ao homem estereotipar o estranho num grupo pré-estabelecido, de preferência inimigo, para poder manter-se tranquilo a respeito de suas próprias escolhas e emocionalmente bem consigo mesmo. Os esquerdistas lhe chamarão de nazista, os capitalistas mais ferrenhos, de comunista, os anarquistas ativistas de fraco, todos de apático, os religiosos de ímpio, aqueles que misturam o natural e o bom mais uma vez de nazista, os relativistas lhe chamarão de tudo o que puderem, contanto que eles não tenham que admitir que existem coisas em algum sentido aproximadamente verdadeiras e portanto tenham de tomar alguma providência para obter informação sobre o mundo. Como sua obra será de longo prazo, e não uma atividade física intensa como discutir política todo o tempo, a critica da apatia virá acompanhada da impressionante alegação de que você estuda de mais ou lê demais e não faz nada. Nesse caso não se trata apenas de miopia a respeito de seus projetos, mas sim de um violento medo de que talvez, apenas talvez, alguém que tanto estude possa realmente saber alguma coisa. Por sorte esse medo pode sempre ser suprimido pela próxima reunião do grupo ao qual a pessoa pertence, um baseado ou a novela das oito, mas é sempre possível vê-lo ressurgindo novamente quando o conhecimento entra em jogo numa conversa, o que para alguns é uma fonte de regozijo apenas comparável ao bem futuro que se está defendendo.

Esse preço todo é pago por uma vida na qual não há limites para o aprendizado, fronteiras para a liberdade e o amor ao próximo (sequer espaço-temporais) e na qual cada momento se preenche de significado de maneira única de uma maneira que só pode ser transmitida por aqueles que sabem estar servindo a um propósito maior do que si mesmos, como os religiosos verdadeiros. É bastante claro, e digo isso literalmente ao som da cavalgada das walkyrias, que o pensamento anarco individualista transhumanista social não é para todos, mas apenas têm serventia a uma pequena minoria de pessoas que tem uma série de particularidades de personalidade e uma visão de mundo que considera importante o fato de que a vida é uma só. O tipo de racionalidade, desejo de ascenção, vontade de poder, desejo de liberdade, generosidade e individualismo exigido para se sustentar essa posição no mundo são muito pouco frequentes na população humana, e isso, àqueles que ainda não aprenderam a diferenciar o que é fato ou valor, apenas descreve como é a realidade e nada diz sobre quão bom ou ruim é adotar essa perspectiva.

.

18/11/2008 Diego Caleiro

5 opiniões sobre “Anarco Individualismo e Transhumanismo Social”

  1. “A vida é apenas uma e a racionalidade é um bom approach a ela […]”

    A vida é 6 bilhões e sempre aumentando, e a racionalidade é realmente um bom approach.

    Acho que a racionalidade de dois indivíduos pode produzir opiniões políticas diferentes. No entanto, deve haver uma maneira de construir consenso e progresso de idéias. Não é como se todas as idéias tivessem valor igual – existe, idealisticamente, uma hierarquia definida, uma escala de melhor a pior entre elas, embora tenhamos pouco acesso a esse conhecimento, uma dificuldade informacional. Talvez a melhor abordagem para a construção de avanço de idéias políticas seja empírica. O questionamento de idéias e a liberdade individual, bem como a disseminação de idéias próprias, também são abordagens produtivas nesse sentido.

    “Essa visão [anarquista tradicional] se baseia numa miopia psicológica (não perceber que a natureza humana é contrária aos anseios humanos) aliada a uma paranóia de conspiração (o Estado nos vigia, nos pune, quer o pior de mim, e violenta minha liberdade).”

    Concordo plenamente. No entanto, acho que o argumento por a vida ser curta é inválido. Na minha opinião a vida não é curta, mas supondo que fosse, para manter o argumento, isso teria que se justificar de uma maneira racional, por exemplo, a participação política teria que ter demonstradamente um resultado negativo comparado à não participação. Talvez isso fosse o caso.

    Talvez a motivação política contribua à felicidade de alguns (como no Meaningful Life).

    “O principal perigo da política é justamente a roupagem racional de ‘estar fazendo bem aos seus conterrâneos e futuros cidadãos’, vende-se o lobo na pele de cordeiro, pois evidente que uma pessoa não faz nenhuma diferença individual na política, entretanto seus esforços são muito mais prolíficos em outros campos da cultura.”

    Eu questiono a sua premissa de que uma pessoa em si não faz diferença alguma na política. Certamente há algumas pessoas que fazem.

    Como o transhumanismo entra na história, acho que a melhora política, ainda que bem menos eficaz que o transhumanismo, é o que temos por ora, e tem um papel na viabilidade prática do transhumanismo.

    Creio que o “anarquismo”, ou libertatismo, individual, é importante no campo de liberdades individuais, mas não no campo econômico, pois acredito na utilidade do investimento governamental. Então questiono a validade da “economic freedom”. Não sei o que vc pensa a respeito, pois não deixou definido quais são as “tiranias do governo”. Talvez por ser Anarco Individualismo e Transhumanismo “Social”, vc esteja considerando algum autoritarismo social, como impostos.

    “Existem poucas maneiras de se conseguir mais inimigos no mundo do que sendo um anarco individualista transhumanista social, e acho que qualquer pessoa que esteja levando a sério sair do armário como um pense nisso antes de fazê-lo.”

    Tem razão, e isso vale também para outros pontos de vista impopulares😀

    De forma geral acho que a falsidade é às vezes a “única opção”.

    “A enorme maioria das pessoas vive do início ao fim da vida achando que o que é natural é bom e que as coisas deveriam ser como são.”

    Os instintos, incluindo esse aí, servem como substituto improvisado à racionalidade, na sua ausência. O que é ruim é não a presença de instintos na falta de racionalidade, mas sim a ausência de racionalidade, ou inteligência, em si.

    Parabéns pela proposta do texto, e acho que, dependendo dos significados pretendidos com “Anarco Individualismo e Transhumanismo Social”, ele poderia se encaixar com o que eu penso.

  2. Uma pessoa não faz nenhuma diferença sozinha na política porque se não houvesse uma motivação popular política prévia àquela pessoa, seus interesses não serão defendidos e suas vontades não surtirão efeito.

    Note que essa afirmação vale apenas para pessoas NAO famosas. Pessoas famosas podem sim exercer efeito político.

  3. Infelizmente parece ser assim que o sistema político funciona no Brasil, no entanto, uma pessoa, principalmente um filósofo, pode passar a influenciar um número significante de pessoas por ter boas idéias políticas, foi assim que essas idéias surgiram no passado para terem aceitação de muitas pessoas hoje.🙂

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s