10 Livros para uma boa formação, por Diego

10 Happiness – Lessons From a New Science – Richard Layard

 

O que quer que estejamos fazendo, estamos fazendo com alguns porques. Sempre que uma criança pergunta porque fazemos alguma coisa, temos que pensar nela em termos de outras, e por sua vez de outras e etc… Mas afinal, porque queremos ser felizes? Ser felizes é um fim, e não um meio como tudo o mais, e por isso é importante por nessa lista um livro que fale sobre os fatores que influenciam isso, e que defende que sim, podemos pensar a felicidade, podemos medir a felicidade, e principalmente podemos modificar a quantidade de felicidade. Ou, como eu costumava dizer, mudar o coeficiente de felicidade geral.

À quem discorde, faço uma citação de Russell, em seu “A conquista da felicidade” “Men who are unhappy, like men who sleep badly, are always proud of the fact.”

9 On Intelligence – Jeff Hawkins

Esse livro tem que ser lido depois dos demais livros de ciência. Ele descreve uma nova forma de pensar o que a inteligência, de uma perspectiva neurológica. E cria finalmente uma teoria a respeito de neurociência, algo que ela carecia a muitos e muitos anos. Sua teoria é muito boa, bem articulada, condizente com a realidade etc… A Memory Prediction Framework deve dominar a neurologia em breve, permitindo que ela ultrapasse a descrição e se torne teoria. Esse cara revolucionou o campo do século 21, e ler isso é o mínimo necessário para saber como pensamos afinal.

8 O senhor das Moscas – William Golding

Me emocionou profundamente nos meus 13 anos. Mostra o carater podre do ser humano em algumas circunstâncias particulares, é um ótimo livro, e uma delícia frenética que prende os órgãos durante a leitura.

7 O Universo Numa Casca de Noz – Stephen Hawking

O que? O Diego? Que gosta de física, falando bem de um populista como Stephen Hawking? Pois é exatamente isso. Fiquei pensando qual seria o melhor livro de física para colocar, pensei nos grandes tomos, no ABC da relatividade do Russell, em livros de autores menos populistas, e em temas mais caóticos como teoria das cordas e quântica. Mas na realidade, o objetivo de ler um livro de física, para a formação, não é a física em si. Mas o tesão pela física. E o Stephen Hawking é uma maquina de tesão pela física. Qualquer um que leia o que ele escreve fica obcecado e achando que física é a coisa mais legal do mundo todo, e que todo mundo devia ser físico. E isso é um grande objetivo. Além do que, o livro dá um bom panorama sobre várias partes da física, fala sobre a exponencialidade da tecnologia e é de uma clareza estonteante.

6 Como a Mente Funciona – Steven Pinker

Se alguém dissesse para uma máquina que ela é uma máquina, qual ia ser a principal curiosidade dela? Saber como ela foi programada, por quem, com que objetivos. Esse livro responde essas perguntas para a máquina humana. E é o mínimo que se espera de uma pessoa normal curiosidade sobre sua própria natureza.

5 Ensaio sobre a cegueira – Ensaio sobre a lucidez – Saramago

Considero esses dois livros como só 1, daí que estejam juntos. A parábola, método consagrado por Saramago no qual uma coisa acontece que modifica profundamente apenas um aspecto do mundo, e todo o resto se mantém, é uma forma genial de compreender e olhar para as coisas do mundo. E esses dois livros parecem absolutamente geniais nesse respeito. Ele escreve tão bem, que as vezes da vontade de parar de entender só para ficar lendo.

4 Humano, Demasiado Humano – Nietzsche

Nietzsche me parece a pessoa mais inteligente da qual já tive notícia. E o que melhor de um ser inteligente que seus sparkles? O que melhor do que aquilo que ele tem a dizer em 4 linhas? Sem qualquer compromisso com a extensão do pensamento? Uma lição de que pensar é algo que pode ocorrer em 5 10 ou 100 palavras, as vezes de maneira muito mais bela do que as centenas de milhares que compõe os grandes livros.

3 Minha concepção do mundo – Ou obras completas – Bertrand Russell

Esse livro não tem nada de especial. O que mais interessa do Russell são os ensaios dele, alguns são simplesmente geniais. Mas o que esse livro tem de bom é que ele mostra como pensa um ser humano que viveu as duas guerras mundias, ele mostra a importância de considerar o ser humano, de ter algum tipo de afecção social. Ele é uma forma de pensar ética muito importante, que se perde muito nos dias de hoje, se perde basicamente porque não temos mais guerras, porque não temos capitalismo e comunismo, e não sabemos dos graus de ameaça que outrora pairaram sobre nosso planeta, e que de forma velada ainda estão aí. Por ser uma entrevista também é extremamente fácil de ler. E o ponto principal é que pode suscitar um desejo de conhecer o autor, que, não escondo o favoritismo, é o maior genio de todos os tempos.

Talvez, melhor do que ler esse livros seja ler tudo que ele escreveu, pulando os capítulos de psicologia, pela única exclusiva razão de que a psicologia não estava suficientemente desenvolvida na época. Russell nos dá a clareza, a precisão, a humildade e a bondade com a humanidade, tudo no cérebro de um matemático que criou uma corrente filosófica e ganhou um nobel de literatura. Um must.

2 Armas Germes e Aço – Jared Diamond

Completude. Esse livro tem como objetivo explicar porque os europeus dominaram o mundo, e não os australianos, ou os africanos, ou os sul americanos etc…. Para isso, ele se utiliza de ecologia, antropologia, biologia, geografia física, filologia e parasitologia. Uma explicação de um fenômeno extremamente complexo, muito bem escrita e articulada, vencedor de um prêmio pulitzer. Tudo obviamente dentro de um viés irrevogavelmente evolucionário, afinal, o que esperar de um cientista que passou 20 anos estudando pássaros.

1 Darwin Dangerous Idea – Daniel Dennett

Esse é o top, não tem como não ser. A idéa mais importante e revolucionária da história do pensamento é a evolução. Ela é foda porque ela transformou tudo. Antes pensavamos que a explicação vinha de cima, e agora de repente ela vem de baixo. Essa inversão muda completamente a forma de pensar tudo, do design a ética, da adaptação à linguagem. Da mais simples cor azul ao sentido da vida, tudo encontra novas formas de se pensar na evolução darwiniana. E nenhum livro explica a evolução em todas as suas facetas e consequências tão bem quanto esse, por isso, ele merece o primeiro lugar.

5 opiniões sobre “10 Livros para uma boa formação, por Diego”

  1. Assim no geral eu não sei. Mas existem boas razões para que a gente prefira o simples ao complexo na fisica. A teoria mais simples é a melhor pois é a mais universal,a que da conta de mais fenomenos dizendo menos e é a mais falseavel… mas acho que não foi essa a pergunta. hehe

  2. João, estou ligado no argumento do popper que diz o que você falou.

    Mas minha preocupação é mais da ordem real mesmo. Existe qualquer razão se não um postulado para que o que é mais simples seja mais provável que o que é complexo?

    O big bang por exemplo, existe qualquer razão para que ele tenha surgido da ausência de tempo (simples) e não do Flying Spaghetti monster?

    Se eu perguntar isso para alguém, a pessoa me diria, bom, é mais simples que seja assim.

    Mas é mais provável que seja mais simples?

    Se sim, porque?

    Algum filósofo ou cientista tem argumentos nesse sentido?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s